31 de dezembro de 2010

Pra vocês em 2011 ...

"- Podes dizer-me, por favor, que caminho devo seguir para sair daqui?
- Isso depende muito de para onde queres ir. - respondeu o gato.
- Preocupa-me pouco aonde ir. - disse Alice.

- Nesse caso, pouco importa o caminho que sigas. - replicou o gato."

Lewis Carroll – Trecho de Alice no País das Maravilhas.
Daí que pra quem não sabe onde chegar, qualquer caminho serve, qualquer caminho basta a ser seguido.
Sei que a maioria de nós aqui tem planos, metas e objetivos claros a serem alcançados e pra 2011 meu desejo à todas que por aqui passam é esse, que continuem a trilhar seus caminhos, por mais difícil que seja.
Essa jornada de tentar ser mãe não é fácil, as vezes é decepcionante quando ficamos frente a frente com nossa inimiga vermelha, as vezes pensamos que não vamos conseguir jamais, as vezes choramos de raiva e queremos chutar o pau da barraca, mas meu desejo é que não deixem seus sonhos morrerem.
Muitas vezes alcançar um objetivo não é fácil, o caminho tem pedras, tem espinhos, tem algumas lágrimas, mas confesso a vocês que compensa, a partir do momento do positivo tudo compensa, os enjôos, os chutinhos, as noites mau dormidas, os desejos, as emoções de cada ultra, e todo sentimento que a gravidez traz pra gente.
O que eu desejo pra todas vocês tentantes, mamães e simpatizantes da maternidade é que não desistam de seus sonhos, na hora certa ele se concretiza.
Sejam felizes de janeiro a dezembro, 24 horas por dia todos os dias da semana.
Não deixem que dias cinzas roubem a alegria do coração de vocês, temos o direito de nos entristecer, mas não podemos viver eternamente de luto por causa de um dia nublado e acinzentado de nossa vida.
Sintam-se abraçadas hoje, e pra cada uma que aqui passa deixo meus votos de um 2011 inesquecível, cheio de sentimentos bons, saúde, paz, felicidade, amor, e com muitos positivos.

Um beijo meu e da Yasmin em cada uma de vocês.

Com amour Mommy Juu

.
.
.

30 de dezembro de 2010

Novos sabores da vida...

Daí que sabe aquele friozinho na barriga que todo mundo sente quando tem um encontro marcado com “aquela” pessoa especial?
Aquela sensação do desconhecido quando provamos um sabor novo?
Ou ainda, sabe quando sentimos o cheirinho de uma flor fresca e aquele cheirinho nos invade, ou quando nos deslumbramos com a visão de uma borboleta posando delicadamente seu corpinho sobre uma flor?
Melhor ainda, sabe quando caí a energia na casa da gente, ficamos sem luz e temos que sair tateando as paredes por mais que conheçamos todo caminho, conheçamos tudo timtim por timtim?
Então, eu tô exatamente assim, super ansiosa com a chegada da pequenininha, e essas situações acima são as que mais se aproximam do friozinho na barriga que eu tô sentindo!
Afinal, eu sei o que me espera, eu sei o que tem no fim do caminho, mas é tudo novo e inesperado, não depende só de mim,então mesmo sabendo o que é, eu não sei como é!
Há tempos atrás eu cheguei a me lamentar acreditando que nunca poderia ter meu bebê, e agora tô aqui, com o ventre recheado com uma tonelada de amor, do mais puro e singelo.
Faltam apenas 55 dias (lógico que se ela não se adiantar ou atrasar), pra algumas pessoas pode parecer um período curto, mas pra mim e pra todos que a esperam é uma eternidade que vem se arrastando.
Gente curiosa e ansiosa como eu sofre, como sofre!
Não quero fazer ultra 3d ou 4d, quero ser surpreendida no momento em que a olhar pela primeira vez, não quero ter uma imagem próxima de como ela será, quero ser surpreendida e me encher de felicidade assim como quando num dia de muito verão aquele brisa fresquinha bate em nosso corpo e nos refresca, aliás, essa é a impressão que tenho, que ela será a minha brisa fresca num dia de verão por toda vida.
A ansiedade é muita, os afazeres são infinitos e pra não ser repetitiva prefiro ficar quietinha até ter alguma coisa pertinente pra postar, mas estou de zóio nos blog e vendo as atualizações todos os dias, afinal, é gostoso demais ver a alegria de todas vocês, mamães ou não!
E a propósito, a festinha do Pablo foi super legal, ele realmente ficou surpreso, de cara notou os balões cor de rosa, o restante das coisas rosa.
E com essas exatas palavras disse “você é a maluquinha que eu mais amo no mundo!”, pq eu prometia uma festa rosa pra ele há tempos, e tem frase mais gostosa de ouvir do que "Eu te amo!" vindo da pessoa que você ama? Claro que não né ...
Me entupi de coxinhas, e no dia seguinte comi o restante dos muitos docinhos e se tivesse mais docinhos eu estava comendo ainda, é tão gostoso tirar da forminha e colocá-los na boca, aiii que delícia!

É isso garotas, tenho um post preparado pra amanhã sobre o ano novo, então amanhã eu volto, e agora eu vou visitar o cantinho de vocês pra saber de TO-DAS as novidades.

Com amour

Mommy Juu


.

27 de dezembro de 2010

Cabeluda ...

Daí que eu tô mordendo os cotovelos de curiosidade pra saber como a Yasmin será.
Acho que nessa reta final deve ser assim mesmo, ansiedade, curiosidade, infinitas expectativas ... ai que delícia, é tanto sentimento gostoso junto que dá um friozinho na barriga de emoção.
Passo horas do dia imaginando como a minha “inquilina” será quando formos apresentadas formalmente, é muita curiosidade junta, é muita coisa pra eu ser capaz de imaginar!
Tem coisas que eu gostaria que ela herdasse do pai, tem coisas que eu adoraria que ela herdasse de mim, mas como primeiro filho e filha sempre lembram o pai, tô imaginando ela bem parecida com o Super Marido.
Mas como imaginar não paga imposto ainda adoraria, mas adoraria mesmo que ela fosse mega cabeluda sabe ?
Que ela tivesse muiiito cabelo, pra eu poder pendurar lacinhos combinando com as roupas, colocar várias coisinhas no cabelo, faixinhas, muitas coisinhas que pudessem enfeita-la, ahhhh como eu adoraria.
Digo isso pq eu nasci quase que careca, Pablo também nasceu desprovido de cabelo, então a chance é pequena, mas ahhh, deixa eu sonhar né ?
Não tive azia e nenhum problema gástrico durante a gravidez, dizem que quando o bebê é cabeludo a mãe tem muita azia né ... tomara que seja só crendice!
Mas se minha filhinha ier careca também, não tem problema, vou ama-la da mesma maneira, mas queria tanto pendurar uns lacinhos nela ...

Hoje é aniversário do Pablo, 28 anos, vou me adiantar pq estamos preparando uma festinha “surpresa” (todo ano ele ganha festa surpresa), e tenho que me apressar com brigadeiros, beijinhos e balões, pq festa que é festa tem que ter balão!
Parabéns meu amor, que você continue sendo essa pessoa maravilhosa que é em todos os sentidos que dispensa qualquer tipo de comentário. Te amo muito.

Com amour

Mommy Juu – ansiosa pra ver a Yasmin e triste de engordar 50kg depois da festinha surpresa
.

26 de dezembro de 2010

Sobre a privatização dos blogs...

Daí que duns dias pra cá muitas das meninas dos blogs que eu freqüento com prazer estão privatizando seus blogs.
Blogs bem legais mesmo, que tem várias coisas pra ensinar, com coisas úteis pra gente aprender, com dicas maravilhosas, blogs super saudáveis, com conteúdo, que dão prazer em ler, simplesmente serão privatizados.
Lóoooooooogeco que cada um tem seus motivos, cada um sabe onde o calo aperta e mais que isso, cada uma das donas dos blogs são mulheres super adultas e exemplares mães, que querem se preservar e preservar a vida de seus filhos, dividindo-a com quem realmente se importa.
Se eu acho certo? Claro que eu acho, cada um sabe bem o que faz da própria vida e se tá incomodada com alguma coisa tem é que mudar mesmo.
Se eu lamento? Muiiiiito, e sabe pq?
Pq com isso, muitas das “novas mães” (assim como eu) não terão a oportunidade de ler ótimos relatos, ter ótimas dicas, ver mães que se diferenciam da maioria. Lamento mesmo, pq muita gente vai ficar a ver navios e perder a oportunidade de conhecer mães dedicadas inteiramente a seus filhos e preocupadas com a educação deles, mães que com certeza estão educando crianças que serão brilhantes adultos.
Tô falando isso dos blogs que eu conheço e que muitas meninas não conhecerão, mas tem blog que eu jamais li, que sei que tem um conteúdo ótimo e que se for privatizado, eu também não conhecerei.
Paciência né?
Não tô aqui pra julgar os motivos de ninguém, longe de mim, mas fico triste mesmo que a liberdade de expressão que a gente tem no nosso espaço algumas vezes seja atacada.
Espero não precisar privatizar o blog, mas se um dia for necessário pra me preservar e preservar a Yasmin, faço sem pensar duas vezes, mas que eu lamento essa onda toda de privatização, ah, isso eu lamento mesmo!

Bom finalzinho de domingo à todas e boa semaninha

Com amour

Mommy Juu
.

24 de dezembro de 2010

Acerca do Natal ...

Daí que de repente no Natal todas as diferenças desaparecem e o mundo quase todo se confraterniza num enorme abraço, num só enorme desejo de paz.
Lógico que existem diversas pessoas em nossas vidas, e pra cada uma dela eu tenho um tipo de desejo especial.
Mas pra todas vocês minhas amigas, no dia de Natal e em todos os outros os dias do ano desejo muita felicidade abundante, amor, paz, saúde infinita, carinho e muita amizade.
Que 2011 seja repleto de realizações, com conquistas maiores e melhores que 2010, e muita evolução em todos os sentidos.
Quero ver sonhos realizados e partilhar da alegria de cada uma.
Tenho certeza que com esse novo ano as esperanças se renovarão, os sonhos terão a poeira sacudida e novo ar, novo ânimo.
Eu desejo à todas e todos um Natal e um Ano Novo totalmente repleto de tudo que há de bom!
E que chovam positivos nessa blogsfera!

Com muito carinho

Juu e Yasmin - pq por telepatia ela me disse que deseja tudo isso também.
.

23 de dezembro de 2010

Palavras para Yasmin ...

Querida Mimi

É a mamãe quem lhe escreve, e quando você puder ler isso já estará grande e não será mais tão dependente de mim (o que particularmente acho um saco), talvez no auge de alguns anos terá sua listinha de coisas a fazer, mas mesmo assim me atrevi a fazer uma lista de coisas que desejo pra você.
Existem coisas que são óbvias, educação, família e amigos, mas lhe desejo mais que isso, lhe desejo uma vida cheia de coisas inesperadas.

Espero que você cometa erros.
Espero que cometa muitos erros, porque não há jeito melhor de aprender a crescer, e só aprendemos com nossos erros, os erros dos outros só servem para os outros aprenderem, nossos erros são nossos melhores professores, sempre tem algo a nos ensinar.
Sempre que erramos temos a chance de um novo começo, de começar a reconstruir tudo do zero.
Mas minha filha, sempre que errar, cometa erros novos, nunca caia nos antigos, erros servem pra gente aprender, e com tantos erros a serem escolhidos, pra que ser reincidente em apenas um, está bem?

Quero que passe muito tempo lendo.
A leitura nos força a sonhar, e eu insisto que você filha, seja uma sonhadora.
E mais que isso, eu insisto que você não deixe seus sonhos morrerem ou que as pessoas pisem nele como se não tivesse valor algum.
Sonhar é o primeiro passo pra conseguir, e sonhe alto, muito alto, afinal, se seu esforço lhe fizer conseguir parte do que sonhou tenho certeza que estará de algum modo satisfeita, mas se você sonhar baixo, qual a chance de conseguir alguma coisa?
Filha, são os sonhos que nos impulsionam a levantar diariamente e enfrentar o mundo, não permita que nada ou ninguém os mate.

Quero que trabalhe e dê valor ao que conseguir.
Mas não quero que se torne escrava do seu trabalho ou que viva por dinheiro.
Dinheiro é uma benção, ter as contas pagas nos traz calma antes de dormir, mas lembre-se sempre que dinheiro não é tudo.
Ele pode lhe comprar um perfume, uma roupa, uma bolsa, um sapato, remédios, que farão com que você se sinta bem e confortável, mas ele jamais lhe trará acalento para o coração, jamais lhe comprará um abraço quando estiver triste ou um sorriso por ter feito a coisa certa.
Dê o valor que ele merece, mas não seja escrava dele, aproveite as coisas boas que a vida lhe oferece, a companhia dos amigos, um pôr-do-sol com quem você ame, um banho de chuva, alegrias instantâneas que os amigos trazem...
E filha, jamais tente comprar as pessoas com dinheiro ou com algo que tenha a oferecer, deixe que elas simplesmente a amem pelo que você é, momentos de dificuldade virão querendo ou não, e será essencial ter ao seu lado pessoas que a amem pelo simples fato de você ser você mesma.

Deus.
Sinceramente filha, a essa altura do campeonato você saberá que eu nunca acreditei muito em Deus, aliás, gastei muito tempo e energia tentando provar pra mim mesma que Ele não existe.
Mas espero, sinceramente que você possa acreditar nEle ou em alguma coisa que lhe motive, porque não importa se Ele existe ou não, se Ele é bom ou não, o importante é acreditar em algo, é crer que a vida está além da morte, e que deve existir algum lugar melhor do que esse em que vivemos.
Sua crença, independente de sua escolha pode lhe ajudar em momentos difíceis e lhe trazer algum consolo, e quero que se sinta amparada e consolada sempre, mesmo que eu e seu pai não estejamos tão perto.
Aliás, seu pai crê em Deus, e eu acho tão bonita essa fé que ele tem, queria acreditar, mas não consigo ...

O amor.
Filha, quero que você ame, quero que você ame de corpo e alma, e quando encontrar um amor – independente de onde encontrar – seja ele quem for, jamais fuja dele, mas também não precisa correr atrás.
Seja paciente, e o amor que você espera - aquele que Carlos Drummond diz que fará seu coração parar de bater por alguns segundos, e que você preferirá a morte a vê-lo partir – ele virá, eu prometo pra você que virá, virá quando você menos esperar.
Assim como você veio sem que eu pudesse esperar e me fez provar do mais puro e verdadeiro amor.
Não tenha medo filha, amar é viver, as vezes dói, mas vale a pena sim.

Eu e seu pai.
Acho que essa é a parte mais difícil da listinha de conselhos, afinal, gostaria que você ficasse ao nosso lado pra sempre.
Mas sei que um dia suas asas estarão prontas e você vai voar, como um passarinho livre, e na verdade é isso que você é, um passarinho que nós criaremos da melhor maneira mas que nunca poderemos deixar preso na gaiola.
Nós vamos cometer erros, mas sempre será na intenção de acertar, iremos discordar de algumas coisas, não aceitaremos outras, mas sempre será com a intenção de protegê-la.
Não queremos que você seja ferida com os espinhos que a vida colocar no seu caminho, mas sabemos que isso é inevitável, e nossa missão como pais é deixá-la sempre calçada para que os ferimentos sejam mínimos.
Nós a amamos Yasmin, muito, e desde antes de você chegar aqui e a conhecermos você já era muito querida e esperada.
Nossa missão como pais é sempre lhe mostrar o caminho bom e reto, e enquanto você não puder fazer suas escolhas, nós lhe mostraremos o caminho e se possível lhe levaremos pela mão, caminhando lado a lado como a família que somos, mas chegará um tempo em que você terá que fazer suas escolhas, escolher qual direção seguirá, nesse momento, esperamos apenas ter feito um bom trabalho e nos orgulharmos de tê-la educado corretamente, porque todos os erros, acertos e tropeços foram para isso, para torná-la uma boa pessoa e ser diferente de tantas outras que vemos por aí.
Jamais se esqueça que pode passar o tempo que for, nos a amaremos incondicionalmente.

E conforme achar que tenho algum conselho útil a lhe dar, antes de você aprender a ler ou entender as maluquices que lhe falo, vou escrever pra você, assim sempre haverá a chance de que você leia, veja, reveja e reflita sobre algumas das coisas que eu puder lhe ensinar sobre a vida.

Com amour

Mamãe
.

22 de dezembro de 2010

E hoje, no consultório médico ...

Daí que ontem foi dia de ultra e hoje dia de consulta.
Adooooro dia de ultra, é tão emocionante ver a Yasmin dentro da pança!
Sempre fui insegura quanto ao sexo do bebê, e já de cara pedi pra médica confirmar o sexo pra mim.
Não disse o que a outra médica tinha dito, disse apenas que queria saber o que ela via, ela deu risada e disse que era uma meninona, e de repente lá estava Yasmin mostrando os “documentos” (escancaradamente) na tela e eu mesma vi que é uma menina!
Ah gente, seguro morreu de velho, e eu moooorria de medo de me preparar psicologicamente pra uma menina, comprar coisas de menina, escolher nome de menina e todas essas coisas da gravidez e quando nascesse viesse um meninão!
Lóoooogico que eu amaria meu filho de qualquer maneira, mas acho que deva ser difícil aceitar um erro desse tipo.
Até pq, não é ser mesquinha não, mas loja de roupa nenhuma aceita troca de roupinha depois de lavada, passada e sem etiquetinha né?
Eu ia vestir meu filho só de rosa e lilás? Não, isso não mesmo, então, pedi pra ela me dizer, mas depois que eu mesma vi com esse par de olhinhos míopes que eu tenho, acreditei e sei que realmente quem vem aí é a Yasmin.
Yasmin está óooooootima, a casinha já tá ficando apertada, mas ela está maravilhosamente bem em seu universo aquático e quentinho, aliás, segundo a médica minha filhotinha será uma bebê longilínea, tem os braços e as pernas compridas (dentro dos padrões, mas compridos), puxou ao pai que é um poste de alto, pq a mamãe aqui, tem só 1.55m (por cinco centímetros eu não tenho um metro e meio uuuuuufa!).
Peso também está normal, um quilo e meio, ownnnnn segundo um site desses da vida Yasmin é uma bebê abóbora, que fofura, e os cinco sentidos dela funcionam!
Hoje na consulta a médica disse que emagreci um quilo (nem fiquei feliz né?) e ganhei os parabéns por ser uma grávida controlada!
Pediu ouuutra USG que farei em janeiro!
Conversamos de novo sobre o parto!
Ficou mais ou menos decidido assim:
Yasmin tem até o dia 23/02 pra dar as caras pro mundo se quiser vir de parto normal, caso contrário virá de cesárea dia 25/02.
Massss com a gravidez é um terreno muito instável veremos isso mais pra frente se tudo continuar correndo bem.
Tô calma pro parto e pra tudo, a santa que tinha ido embora voltou pro lugar dela e tô calma como antes, e que eu continue assim até o fim agora, já que falta tão pouquinho!
Queridas florzinhas do meu jardim, gostaria de agradecer mesmo pelas dicas sobre o calor, as vezes ninguém pode fazer nada por nós, mas só o fato de saber que podemos desabafar em algum lugar e que existem pessoas que nos entendem, isso dispensa comentários e relaxa a gente.
Obrigada por serem tão compreensivas e estarem sempre por aqui comigo!
E mais um coisa, adoro receber comentários e quero morder o cotovelo quando não tenho como retribuir a visita, então se a pessoa que for comentar não tiver blog ou tiver e o perfil não estiver acessível, se puder deixar algum endereço pra eu agradecer pelas palavras eu fico feliz.
Finalizando, pro anônimo que me deixou um comentário em francês, lá vai:

Anonyme
Glad je pouvais l'aider. Bienvenue et chaque fois que vous avez besoin de quoi que ce soit, je suis ici.


Beijos à todas

Mommy Juu
.

21 de dezembro de 2010

Como dormir tranquilamente?

Daí que passei uma noite de desespero essa madrugada!
Gente, como esse calor judia das grávidas, tô derretendo, suando em bicas, tô em desespero grau 347.
Essa noite ao me deitar (1:30 a.m) – já de banho recém tomado, ventiladoreS do quarto ligados, janela aberta e com o mínimo de roupa possível já comecei a sentir desconforto causado pelo calor.
Vira pra cá, vira pra lá, e nada.
Super marido dormindo igual um anjo e eu mordendo os cotovelos de inveja pq mesmo caindo de sono esse bendito calor não me deixava pregar os olhos.
Respirei fundo, afinal é apenas uma questão de paciência até o sono chegar né – mas ele já estava ali do meu lado, me pegando no colo e eu nada de fechar os zóios.
Vira mais pra cá, vira mais pra lá e nada do sono vir, olho no relógio três horas da madrugada, bateu o desespero!
Se continuasse me mexendo do jeito que estava ia acordar o Pablo que precisava dormir pra trabalhar hoje!
Mexe mais um pouquinho, não acho mais posição pra dormir, pq o umbigo, sim o umbigo começou a doer com tanta movimentação!
Penso comigo, deve ser mau jeito, só pode ser mau jeito, mas que nada, agora além de calor tinha o umbigo que cismou de doer!
Super marido continuou a dormir feito um anjo.
Levantei, não tava dando não, e até pra levantar o umbigo doeu!
Peguei um dos ventiladores e levei pra sala, voltei pro quarto em passinhos leves e peguei um edredon, almofadas e travesseiro, Marie já tava esperta com minha movimentação e grudou os dentes na ponta do edredon quando viu que eu não levaria ela no colo – pq ela não cabia no meu colo – e foi comigo pra sala.
Montei meu aparato de acampamento, fiz um colchão safado com o edredon e deitei no chão em cima das almofadas.
Marie cismou que era hora de brincar, pedi à ela pelo amor de Deus ou de qualquer divindade existente pra que ela dormisse pq aquela não era hora.
Quatro e meia da manhã, meu umbigo doía o calor me derretia e até a Marie estava dormindo e eu não.
Consegui pegar no sono quando o umbigo deu uma cessada, mas sete e meia já estava acordada pq Pablo sentiu minha falta na cama e me chamou!
Depois disso fui conseguir dormir às dez horas, e acordei meio dia.
Tô exausta, tô moída, tô “p” da vida.
Quero um ar condicionado no meu quarto com dois milhões de btus – éeeeee, quero ter a sensação de estar na Lapônia todas as noites!
Tá, pode ter um milhão de btus, mas quero poder dormir sem acordar melada de suor ou incomodada com o calor.

Mas o principal, alguma de vocês flores do meu jardim, pode me dizer como dormir quando a barriga incomoda ?
Pensei em dormir de cabeça pra baixo, tipo morcego, mas além de não ter poleiro aqui em casa, acho que a barriga vai me puxar pra baixo e eu vou cair e me estabacar no chão igual jaca madura.
Se puderem me dar dicas, eu não ligo que sejam absurdas contanto que possam ser colocadas em prática, eu tô aceitando, pq tô caindo de sono e não consigo dormir (se eu fosse hipocondríaca e não estivesse grávida me doparia com propofol, masss não dá né e vai que eu morro igual o Michael Jackson ... credo!).

Beijos pra todas

Mommy Juu – desesperada por uma sonequinha

*Mais tarde eu volto pra responder os comentários, tá chovendo e vou tentar dormir um pouquinho que seja!
.

20 de dezembro de 2010

Ela será fashion...

Daí que se eu não tivesse nascido mulher juro pra vocês que seria travesti, afinal adoro um penduricalho e sou apaixonada nesse universo feminino onde podemos usar e abusar dos acessórios, adoro ser mulher e o resultado de gostar disso tudo é esperar que Yasmin siga meus passos e seja vaidosa também.
Espero que ela goste dessas coisas também, não quero forçar nada, quero que ela seja criança, mas menininha sabe?
Espero que ela goste de vestidos e laços, de combinar cores, de rosa e lilás, de escovar o cabelo e usar perfume na frente do espelho, de passar batom clarinho e quem sabe até eu não me divirta ao vê-la querer calçar meus sapatos de salto e andar pela casa.
Gostaria que ela não roesse unhas (na verdade tenho pavor disso) e que pedisse para que eu as pintasse de rosa bem clarinho, que é a cor de toda menininha.
Espero que ela brinque com bonecas e cuide delas como se fossem seus bebês, e que as vezes roube minha maquiagem pra pintá-las.
Ela pode ir até meu porta jóias e pegar pra brincar meu colar de pérolas, minhas pulseirinhas de swarovski e strass (pq eu adoro um brilho) , contando que depois coloque no lugar e não quebre o porta-jóias.
Eu espero que ela tenha atitudes de menina, mas algo que espero NUNCA forçar é que ela cresça antes do tempo.
Quero que ela se vista como uma menina de sua idade, sem erotismo (por mais inocente que seja), enquanto for criança ela usará sapatos de meninas com sua idade, nada de salto alto, sapatos de boneca, sapatilhas e sandalinhas femininas, infantis, mas sem salto, sem nada que possa fazer com que as pessoas enxerguem nela uma mini-mulher, não quero que minha filha seja uma mini-mulher, quero que ela seja criança enquanto tiver que ser, e que depois de grande no tempo certo se transforme em mulher.
Nada de batom forte pra sair na rua, no máximo gloss com glitter – que eu adoro até hoje.
Nada de andar por aí feito uma piriguete, não precisa andar vestida como se fosse em uma reunião com a família real, mas tem que andar bem vestida, mulher ou menina tem que ser feminina.
Tomara que ela goste de bolsas, assim posso comprar várias bolsinhas infantis pra ela, pra que dentro sempre tenha um monte de coisas que são importantíssimas segundo seu ponto de vista e que ela carregue a bolsinha com muito orgulho imitando a mamãe.
Que as pessoas ao olharem pra ela vejam em seu semblante uma menininha feliz, que não lembre em nada uma mini adulta.
Acho triste essas meninas que são mini adultas, que as mães transformam em suas versões tamanho mini, não gosto, aliás, nunca gostei.
Jamais projetarei nela qualquer coisa que eu gostaria de ter sido e não fui.
Quero que minha filha seja apenas ela mesma, claro que em alguns dias ela poderá dar uma abusadinha na hora da brincadeira e sair de casa vestida de princesa ou mulher maravilha (acontece né?), mas que sempre fique claro que ela é uma criança, fashion, mas apenas uma criança com aparência, deveres e direitos de uma criança.
Filhas geralmente são o reflexo da mãe, e espero que eu possa refletir somente coisas boas e positivas pra alguém que nem nasceu ainda e é tão especial em minha vida.

E as mamães de meninas, como pensam em educar e vestir suas princesinhas?

Com amour

Mommy Juu – toda felizinha pq amanhã é dia de ultra‼

Beijos e boa noite

.

19 de dezembro de 2010

Excesso de informações ...

Daí que eu sempre fui uma pessoa doida por leitura, e com a gravidez passei a ler mais ainda, livros sobre gravidez, entrar e participar de fóruns de gravidez e tudo que está relacionado ao universo materno.
Com os livros e panfletinhos explicativos, nunca tive problema nenhum, o buraco fica mais embaixo com os fóruns.

Explico:
Em fóruns é um tal de comparar resultado de exames, tamanho e peso dos bebês, falar sobre o trabalho médico “pq meu médico pediu exame x, o seu não pediu?”, e tópicos do tipo “meu bebê virou anjo com 36 semanas”, que confesso – alguns me assustam e outros me irritam!

Os que me irritam são aqueles que ficam comparando as coisas “vamos comparar as medidas das ultras” “vamos comparar isso ou aquilo” “quantos quilos já engordaram?” , pode ser inocência ou até ignorância da minha parte, mas cada gravidez é uma gravidez com fatores tão particulares que fazem cada gravidez ser única e incomparável (o que é mágico ao meu ver), os parâmetros que temos não são determinantes, já que é muita coisa pra ser levada em conta, juntando tudo isso mais o fato de que a gravidez é algo pessoal e particular de cada casal, não dá pra comparar a minha com a de quem quer que seja, e essa competição constante me irrita, todo mundo querendo ser melhor que todo mundo ... o povo precisa é de paz e amor no coração, e não desse espírito competitivo hauhauahau.
E os que me assustam são aqueles que tem títulos tristes “ perdi meu bebê com x semanas...”.
Aí você pode pensar “mas se você fica incomodada com isso é simples ué, é só não entrar!”.
Realmente eu não entro, se o título já atribui alguma desgraça ou é competitivo eu passo longe, afinal passei o primeiro trimestre vesga de medo de ter qualquer sintoma que pudesse ser indicativo de aborto (e em tópicos do primeiro trimestre infelizmente tem muito disso).
Eu fico triste pelas mulheres que passam por essas experiências tristes – e só quem passa por uma tristeza dessas sabe o buraco que fica no peito – mas me assusta muito a idéia de que no auge da gravidez, ou eu quase parindo, possa acontecer alguma coisa e a história terminar mau.
Eu não preciso ler o tópico, mas só de ler o título e saber que aquilo aconteceu já fico remoendo sabe?
Eu tento abstrair, e depois de muito remoer até abstraio, mas o que me apavora é saber que há uma possibilidade entre dois milhões de que aquilo possa acontecer!
Portanto, como a gravidez é uma época de total alegria não entrarei mais em fóruns que só aumentam minha ansiedade, vou me controlar pra não entrar e se for pra ficar ansiosa por algum motivo, que seja ansiosa pra conhecer o rostinho da minha filha, nada mais que isso.
E se pudesse dar um conselho pra grávidas no início da gestação, treinantes e todas nós que estamos envoltas nesse universo de gravidez é pra ter muito cuidado com o que lê, ainda mais se a pessoa for ansiosa como eu, mas isso é apenas um conselho, então segue quem quer né?

Beijos e boa semaninha à todas

Com amour

Mommy Juu – abstraindo de todos os problemas

.

17 de dezembro de 2010

Passados para trás ...

Daí que aqui em casa é assim, eu brinco, eu dou comida, protejo, levo pra passear, dou guloseimas e leite quentinho na madrugada, mas a Marie ama mesmo é o Pablo, ele é o grande amor da vida dela, e eu fico como a intrusa na relação dos dois, afinal na cabecinha dela ele é dela, ela é dele, e ela fica maluca quando ele me abraça ou me beija.
De todas as palavras a que ela mais gosta é passear, e confunde qualquer verbo terminado em “ar” com passear.
Basta trocar uma peça de roupa, calçar tênis ou qualquer sapato diferente que em sua cabeça iremos sair, e lógico que ela quer ir junto, fica “pedindo” colo ou quando está muito desesperada pra dar uma voltinha, corre pra debaixo de suas coleiras em protesto, como quem diz “anda, me leva, me leva, eu tô aqui ôooo!”
É abrir a porta do carro, ela pula dentro, senta no banco do passageiro e lá fica, esteja o carro parado ou em movimento, se estiver em movimento e a janela aberta põe a cabecinha pra fora pra tomar vento, e não gosta que ande devagar não, tem que andar rápido, pq ela gosta mesmo é de muito vento no focinho, se a velocidade diminui ela olha pra quem está dirigindo em protesto.
Pablo costuma utilizar o transporte da empresa pra ir trabalhar, salvo alguns dias que quer chegar cedo em casa, vai de carro mesmo.
O ritual é quase sempre o mesmo, deixamos a porta do corredor aberta, enquanto ele abre a porta de trás do carro, coloca suas coisas lá, fecha a porta do carro, vem pra dentro conversamos um pouco até dar a hora de ir pro serviço, pego a Marie no colo, dou um beijo nele, abro o portão, ele tira o carro, vou até a calçada, dou-lhe outro beijo, desejo que tenha um bom dia de serviço, espero o carro sumir, coloco a Marie no chão, ela cheira a calçada, pega alguma acerola madurinha que está caída, começo a fechar o portão e ela corre pra dentro, dou continuidade na vida e no meu serviço, e assim o dia se vai.
Porém, dia desses a coisa aconteceu de modo diferente, Marie simplesmente não veio “dizer” tchau.
Não estava conosco em nenhum dos momentos, não se ouvia nada que não fosse o silêncio durante todo ritual.
Não pediu colo, aliás, nem saiu pela porta do corredor quando Pablo gritou “tchauuu Marie!”.
Fechou a porta de trás do carro – como sempre sem olhar lá dentro – tirou o carro e foi embora. Fechei o portão e voltei ao que estava fazendo.
Nem sinal da Marie “deve estar dormindo, adoooooora dormir!” pensei comigo.
Passou meia hora, o telefone toca e segue diálogo:
- Alô!
- Oi amour, sou eu, tudo certinho ?
- Tudo, porque ?
- Por nada não, e a Marie, deu o ar da graça ?
- Deu nada, deve estar dormindo lá no quarto!
- Ahhh tá, dormindo né?
- É, porque ?
- Porque ela não tá dormindo!
- Como assim não tá dormindo ?
- Ela tá dando uma volta!
- Volta? Que volta ?
- Uma bela volta na Dutra, aliás, ela deu a volta em nós dois!
- Como assim?
- Ela estava no carro o tempo todo, quietinha deitada atrás do banco de passageiro.
Eu fiz cara de espanto, mas não contive a risada por conta daquela traquinagem.
- Explique melhor isso Pablo – indo pro quarto ver se era verdade mesmo ou pegadinha, e ela realmente não estava em lugar nenhum!
- Não tem muito o que explicar, só sei que os vidros estavam todos fechados, e quando peguei a Dutra Marie apareceu naquele meio entre um banco e outro sabe, com cara de feliz aniversário, como se estivesse tudo bem .
Dei uma big gargalhada, a cachorrinha passou a gente pra trás direitinho.
- E agora Pablo?
- Agora eu tô voltando pra casa pra deixar ela aí ué, não dá pra ir trabalhar com ela, mas como castigo só abri metade do vidro pra ela, assim ela saberá que o que fez é errado!

Minutos depois o carro chegou, eu já esperava no portão, Pablo abriu a porta e ela desceu de sua viagem, em outro dia ela seria relutante em descer, mas desceu rápido dessa vez, devia estar cansada de um “passear” tão comprido.
Dei risada, Pablo riu.
Me certifiquei que ela estava ali no portão de olho nos acontecimentos.
Pablo deu tchau pra mim, ganhei um beijo e pra Marie ele disse “tchau Marie do mal!”.
Ela correu pra dentro, e demos seguimento ao nosso dia.

Mas que ela é malandrinha e passa qualquer desavisado pra trás, não tem como negar, ela passa mesmo!

Bom fim de semana pra vocês

Com amour

Mommy Juu – A mamãe da Yasmin e da Marie tbm.


16 de dezembro de 2010

A grávida e o banquinho ...

Daí que vida de grávida é uma coisa que deve ser levada totalmente na esportiva, dar risada com o que acontece, senão o mau humor domina, e gravidez e mau humor são coisas que realmente não são sinônimas - ou pelo menos não deveriam ser, já que é uma fase tão linda de nossas vidas.
Minha barriga de sete meses (éeeeee pq eu adoooro dizer que tô grávida de sete meses) já é saliente de verdade, não é mais uma mera pelotinha, já é uma pançona!
E uma barriga grande muda a vida da gente, no dormir, no colocar as roupas, no escolher roupas, no sentar, e no tomar banho!
Tô falando isso pq tomar banho tava ficando complicado sabe, chão liso, pés precisando ser lavados, calcanhar a ser esfregado ... tava difícil.
Aí pensei, pensei e pensei no que poderia fazer pra não correr o risco de cair no banheiro né, afinal de contas, apoiar uma mão na parede e usar a outra pra esfregar o corpitcho com a bucha não é algo que se diga “noooooossa, que super seguro!”, ainda mais quando tenho que me abaixar pra esfregar os pés e calcanhares.
E pensei, pensei até chegar a uma super idéia!
Coloquei um banquinho de plástico dentro do box e agora é só apoiar nele, coloco meus pezinhos em cima e dá pra esfregá-los sem risco nenhum de queda a não ser que eu esteja bêbada (mas eu nunca fui de beber e não vai ser agora)!
Confesso que a idéia de colocar o banquinho embaixo do chuveiro e tomar banho sentada me passou pela cabeça, mápêraaí, é muito sedentarismo e muita preguiça pra uma grávida só.
Por hora, só esfregar os pezinhos apoiada no banquinho já tá de bom tamanho!
Pablo não viu o banquinho ainda e nem sabe da minha super idéia, só quero ver o que dirá na hora que souber, tenho certeza que vai se sair com algo do tipo “só você mesma pra inventar essas coisas ...”.

E vocês flores, também vão moldando as coisinhas simples do dia-dia conforme o crescimento da pança ?

Beijos

Com amour

Mommy Juu
.

15 de dezembro de 2010

Medos e receios de uma mãe de 1ª viagem ...


Daí que o tempo vai passando rápido demais e agora percebi que estou com sete meses de gestação.
Isso significa que minha princesinha chega daqui aproximadamente dois meses – e como o tempo voa!
Nesses momentos em que o tempo literalmente voa eu paro e me pergunto um monte de coisas, mas uma infinidade de coisas mesmo.
Não tenho medo das coisas, mas diversos receios, acho que tudo que é novo na vida da gente faz com que o coração fique pulsando mais aceleradinho, meus receios podem virar até lista de tantos que são, vamos lá:

- Derrubar a Yasmin
Sou um pouco desastrada, as coisas caem da minha mão com uma facilidade incrível, podem me chamar um milhão de vezes que se estou desligada não ouço – antes da gravidez era assim, agora tá pior ainda...
Bebês são tão molinhos, tão delicados, temos que cuidar deles com tanto cuidado que eu MORRO de medo de derrubar a Yasmin, de me descuidar meio segundinho e plofff a menina cair no chão.
Acho que nunca me perdoarei se acontecer um negócio desse, eu surto!

- Dar banho
Taí um negócio que me gela a espinha, o banho do nenê!
Aqui é o mesmo princípio do medo de derrubá-la, tão molinha, tão delicada... aquela pele tão lisinha que tenho medo que escorregue.
O banho no balde parece uma ótima alternativa pra eu que morro de medo de banho na banheira, mas como lavar um bebê no balde ?
Até pq o banho de balde é mais pra ela relaxar né, logo, não tem como fugir do banho na banheira.
Gosto da idéia de dar banho nela no chuveiro, Super Marido segura ela embaixo do chuveiro enquanto eu lavo e depois levo pro quarto pra enxugar e tudo mais, mas não dá pra ser todo dia né? Afinal alguém nessa casa trabalha, e no caso é ele!
Minha mãe disse que quer dar banho nela, e de verdade, acho que nos primeiros dias ou enquanto eu estiver super insegura só vou observar minha mãe banhando a pequetita.

- Não dar conta do recado
É, andar com um bebê dentro da barriga onde ele está seguro, quentinho, sem fome e totalmente protegido é muito mais fácil do que quando ele tá aqui fora, dependendo da gente pra tudo e principalmente pra sobreviver.
Sempre tem aquelas pessoas que chegam e dizem que é pra curtir enquanto tá dentro da barriga pq depois que sair a coisa é mais difícil.
Concordo que não deva ser fácil, mas as pessoas falam de uma maneira como se cuidar de um bebê fosse um bicho de sete cabeças, que mãe de primeira viagem sofre por não ter experiência nenhuma com criança e que tem que rebolar muito pra dar conta do recado.
Tá deve ser difícil, mas não impossível como alguns dizem, e as pessoas ainda tem o “bom senso” de contar aqueles casos super legais que aconteceram com a prima da costureira da vizinha da tia avó em que a mãe de primeira viagem descuidou do bebê e aconteceram diversas atrocidades com ele, e pra finalizar falam que só tão contando a nível de conhecimento, que nada disso vai acontecer com a gente ... ai que ódio que eu sinto quando ouço dessas

- Marie
Não tenho medo que a Marie morda a Yasmin, avance nem nada disso, tô preparando ela desde já, converso, mostro as roupinhas e até coloquei ela dentro do carrinho da neném pra ela ver como é e dei uma voltinha pela sala de casa (parece coisa de gente doida, mas é o meu jeito de lidar com ela e mostrar que vai vir mudança por aí, e acho que ela entende).
Meu medo é que ela fique depressivinha, que a atenção que continuaremos a dar pra ela não seja suficiente.
Sei que ela vai sentir o impacto da chegada da bebê, afinal, a casa é dela, somos dela, mas quero amenizar isso pra que ela não sinta tanto.
Sei que meu amor e meu carinho nunca vão diminuir, mas o amor da vida dela é o Pablo, e não sei se ele vai saber dividir a atenção dele entre as duas, e meu medo é que ela sinta essa diferença e fique doentinha ou se revolte e destrua a casa.

- Amamentar
Já fiz um post sobre isso, mas amamentar também me dá medo.
Medo de não conseguir e desistir pela dor, medo de uma infinidade de coisas que podem fazer a amamentação não dar certo.
Sei que o que manda é ter força de vontade, mas tenho medo de não ter força de vontade por mais que queira.

- Parto
O parto antes era algo que me dava um super medo, agora dá um medinho só, mas ainda tenho medo e fico indecisa sobre que tipo escolher caso eu tenha boas condições de saúde que me permitam isso.
Mas deixa isso pra um capítulo mais adiante.



Sei que darei conta de tudo isso que mencionei acima, mas é tudo novidade pra mim, então tenho que esperar pra ver como lidarei com a situação.
Espero tirar de letra e tenho certeza que com um pouco de esforço eu e Pablo seremos os melhores pais que a Yasmin poderia ter, mas que dá medo isso dá, é muita mudança em tão pouco tempo.
Tô ansiosa pra chegada dela, pra conhecê-la, pra pegar no colo, pra provar do mais puro e verdadeiro amor, mas enquanto grande dia não chega ... o que me resta é esperar!

E vocês, tem medo de que ???

Beijos à todas

Mommy Juu – com a ansiedade batendo na portinha do coração
.

13 de dezembro de 2010

1051200 minutos com ele ...

Daí que hoje é o dia de comemorar nossas Bodas de Algodão!
2 anos, 730 dias, 17520 horas, 1051200 minutos e sabe-se lá quantos segundos vivendo a felicidade da forma mais plena que minha mente e meu coração jamais poderiam imaginar!
Sou feliz, sou completa e agradeço diariamente por ter alguém tão especial ao meu lado, sonhando comigo, me incentivando sempre, fazendo o que está e não está ao seu alcance pra me fazer sorrir!
Pablo, você é o melhor presente que a vida poderia me oferecer, obrigada por tanto amor, por tanta felicidade, por me fazer completa – pq sem você eu sou apenas metade, você é a metade que me traz sanidade, calma, paciência e o misto de todos os sentimentos bons que minha alma pode provar.
Obrigada por ser meu marido, por me amar e me aceitar da maneira que sou, pq eu te amo exatamente do jeitinho que você é!

“Na alegria e na tristeza.
Na saúde e na doença.
Por todos os dias de nossas vidas.
E nem a morte nos separa!”

Te amo muito.
Sempre sua;

Julia


.

12 de dezembro de 2010

Música pra ela ...

Daí que eu sou uma pessoa musical, adoro música, música faz bem pra todo mundo, do ser mais pequenino ao maior!
Tenho minhas preferências,mas respeito as que são contrárias as minhas (afinal aqui em casa é uma diversidade do que se ouve que vai de funk ao sertanejo – super marido ouve de TUDO).
E é nesse ambiente de diversidade que Yasmin nascerá, e como música faz bem pra corpo, alma e tudo mais, no quartinho dela terá um aparelhinho de som, pra colocar música bem baixinho pra ela relaxar!
Aí pensa daqui, pensa dali, lê bastante sobre o assunto, descobri que ouvir música desde a barriga é bom pro bebê, ajuda desenvolver várias coisas no intelecto dele, já que ele pode ouvir o que se passa “aqui fora”.
Bebês estimulados desde a barriga com carinho, música e conversas tem uma capacidade maior de aprender na infância e seu comportamento social é mais adequado.
Como além de rock eu gosto muito de música clássica, coloquei algumas no celular, deito na cama e deixo o celular bem próximo da barriga pra que ela realmente possa ouvir o que a mamãe está escutando, e ficamos um tempão assim, ouvindo músicas quietinhas!
O problema é que vai me dando um sono e eu desmaio, acordo quando todas as músicas acabam e o celular fica mudo!
Se é verdade ou mentira eu não sei, mas quando a mãe se sente bem o bebê também se sente, e é isso que importa, Yasmin se sentir bem!

Como muitas das músicas que gosto e ouço não são tão adequadas pra criança andei pesquisando, e pra quem gosta de rock fica a dica, são versões instrumentais adaptadas para canção de ninar, uma delícia de escutar!
Chamam-se “Rockabye baby”, e tem de várias bandas no 4shared pra baixar!


Pra quem gosta, fica a dica né ?

E vocês florzinhas, também estimulam seus bebês desde a barrigola ??

Beijos e boa semana á todas!

Mommy Juu - se acabando ao som de The Beatles
.

10 de dezembro de 2010

Ser pai de menina ...

... é um tantinho quanto comprometedor.



Mas alguma coisa me diz que aqui em casa não será muito diferente!


Beijos e bom fim de semana à todas ...

Mommy Juu - mexendo nas coisas da Yasmin
.

9 de dezembro de 2010

Nos pequenos gestos...

Quando era mais nova não entendia quando diziam que o amor mora nas pequenas coisas – um pequeno sorriso, um pequeno olhar, uma pequena lembrança...
Como poderia um sentimento tão importante ser lembrado nas coisas que eram tão pequenas?
Aí a gente cresce e vê que é assim mesmo, e que nada vai mudar isso.
O amor pode morar nas coisas grandes também, uma grande declaração de amor, um grande casamento, uma chuva de flores vindas de um helicóptero, mas que o amor de verdade – aquele que amolece o nosso coração - sempre vai ser encontrado nas pequenas coisas, nas menores possíveis, nos pequenos gestos do dia-dia.
É saber que a minha tristeza e a tristeza dele são as mesmas, e que nossa alegria também é a mesma, que o que me leva a sorrir também o leva, e que adoramos assistir os mesmos programas de TV juntos, fazendo questão da presença um do outro pq assistir sozinho é chato e sem graça, é ficar ali, sorrindo ao vê-lo trocar uma peça do carro – todo imundo de poeira sujando a camisa branquinha que eu lavei.
A gente sente que é amado nessas pequenas coisas, nessas tão pequenas.
Assim que o vi pela primeira vez soube que seria com ele que passaria o resto dos meus dias, e fico feliz, satisfeita e completa em saber que a primeira e ultima imagem que vejo todos os dias é o rosto dele.
É tão, mas tão gostoso todas as noites antes de dormir escutar “eu te amo” de quem realmente me ama, sentir a mão tatear em busca da barriga, repousar ali e adormecer, o mundo poderia acabar naquele exato momento em que adormecemos, mas não, ele não acaba, ele recomeça e já me arranca um sorriso dos lábios quando acordamos e ganho um beijo de bom dia e ele pergunta “como você e a minha Mimi passaram a noite ?”.
Realmente, sou uma mulher de sorte, tenho com quem partilhar alegrias e sorrisos, como lágrimas e algumas tristezas.
Tenho quem me dê a metade do sonho de valsa, que lembre que eu adoro chiclete de tutti-fruti, que me traz café na cama com pãezinhos deliciosos, que prepare meu leite com Nescau perfeitamente, e que dê risada das minhas piadinhas infames.
Fiz a escolha certa, e não encontrei um homem que me complete, não, Pablo não me completa pq completar é pouco, Pablo me transborda, e nosso amor transbordou tanto e transborda tanto todos os dias, que o resultado disso chama-se Yasmin, afinal, nosso amor não coube mais dentro de nós e precisou se transformar em outra pessoa pra que continuasse a transbordar.
E realmente, agora tenho que concordar, o amor realmente mora nos pequenos gestos, fazendo com que ele mesmo se renove diariamente diante de coisas tão pequenas.

Com amor

Mommy Juu – falando de amor

.

8 de dezembro de 2010

E no consultório médico ...

Daí que minha consulta que minha irmã conseguiu educada e delicadamente marcar a moça ligou desmarcando pro dia 15/12 e ontem remarcou pro dia 08/12, que é hoje.
Juntei os exames que não levei da outra vez, grudei na minha mommy e lá fui eu!
*Super marido estava trabalhando, por isso não me acompanhou.
Tira medida da barriga, pesa, verifica pressão, ouve coração – que diga-se de passagem é a coisa mais legal do mundo de ouvir pq bate tão rápido e é um som tão reconfortante pq tenho certeza que ela está bem, e está tudo bem com nós duas!
A médica disse que mesmo eu não tendo engordado muito (4kg até agora), é importante fazer a manutenção do peso pra que não hajam complicações e pq a tendência agora é inchar né?
Pediu uma batelada de exames (aqueles de rotina) e uma ultra com doppler.
Conversa vai, conversa vem, toquei no assunto do parto.
Ela disse que pelo que acompanhou até agora, há possibilidade da gente esperar por um parto normal sim, como também dá pra fazer uma cesárea se eu quiser.
Se eu quiser o normal ela gostaria que eu fizesse um cursinho que o plano de saúde oferece com técnicas de respiração e várias coisas de muita serventia pra acalmar e saber lidar com a dor, o cursinho é digratis, só ligar lá pra saber maiores informações.
Ela disse que a partir da 38ª semana já poderei ficar de sobreaviso pq a Yasmin poderá nascer já que vai estar “madurinha”.
Falei que se for cesárea quero que a Yasmin nasça de 40 semanas completas (cisma minha), e ela disse que sem problemas, é só marcar a data.
Não se opôs e nem quis me mostrar os 24117 milhões motivos pra fazer uma cesárea, disse que o melhor que tenho a fazer é me informar mesmo e se mais pra frente não tiver nenhuma complicação (e eu não terei) e puder optar entre um e outro pra avisar ela. Só isso.
Cesarista, humanizada, tanto faz, o que gostei é que ela me deu liberdade pra me expressar, perguntou o que tenho em mente (e eu não tenho nada) e me deu a oportunidade de escolher e não me induzir a nada caso não haja nenhum problema pro parto normal.

E a minha cabeça com ficou?
Ficou do mesmo jeito de antes, indecisa como sempre, sem saber pra que lado olhar, pra onde ir, que caminho seguir... (momento drama).
Tô pensando na cesárea mesmo e vou fazer um post sobre isso, explicando timtim por timtim do pq estou pendendo pra esse lado, mas isso é assunto pra outro post.

Agradeço de coração por vocês terem dado opinado no outro post, e por me fazerem sentir normal em relação a minha curiosidade e a ficar impressionada com os partos bárbaros que tem lá no youtube.
Vocês são umas fofas!

______
Boletim de notícias sobre a cachorrinha (que agora se chama Belinha):
Não, ainda não encontramos os donos dela, ninguém me ligou ainda, tô oferecendo ela pra pessoas que sei que amam cachorros e que poderão dar um lar legal pra ela já que ela é uma fofa, e que possam assumi-la cientes que ela é velhinha!
E a Marie ? Além de morder os cotovelinhos de ciúmes, não querer contato nenhum com a Belinha, teve uma convulsão hoje de manhã em cima da minha cama enquanto dormíamos.
Confesso que esse assunto tá me tirando o sono e o sossego, mas eu vou achar um lar legal pra ela, tô aceitando até ajudar a pessoa que ficar com ela com a ração.

Veremos, veremos ... aguardem notícias no próximo capítulo!

Com amour
Mommy Juu – feliz por ter ouvido o coração da Yasmin
.

7 de dezembro de 2010

Quem procura acha!

Daí que eu, como bom bichinho curioso que sou e com o momento do parto se aproximando fui pesquisar sobre cesárea e parto natural.
Não falarei sobre prós e contras de cada um pq acho isso um saco (desculpe o termo, mas sempre haverá quem defenda um ou outro, colocando o que não aderiu como o vilão).
Como já dito aqui, a única pessoa que me apóia com a história de parto natural é minha avó – que teve três na raça.
Pablo gostaria que eu fizesse cesárea, acha mais seguro do ponto de vista dele.
Minha mãe e Cia também são a favor da cesárea, com hora marcada e tudo mais.
Mas e o que eu quero?
Sinceramente?
Não sei!!
Já fui adepta do parto normal, achava e acho lindo, mas pra mim não sei se dá não (outro dia explico meu pq), tem a cesárea, mas que me assusta por ser procedimento cirúrgico, na real?
Por mim, pularia o parto, acredito ser o momento mais sublime da gestação, mas tenho medo.
Super marido disse que vai me acompanhar na sala de parto (a decisão foi dele, ownn que fofo), e vai fotografar, mas quero ele sentadinho conversando comigo e que só veja a Yasmin saindo, sei que ele é forte pra várias coisas, mas quero evitar que ele desmaie como esse papai aqui que tombou vendo o procedimento todo! (imagens fortes no vídeo)
Na verdade, estou calma com esse momento, pq na verdade não tem como fugir, de um jeito ou de outro vai acontecer, mas o que me deixou digamos “impressionada” foi ter visto os vídeos de parto no youtube, e como quem procura acha, eu achei né?
Não to apavorada nem nada disso, mas vídeos de parto me dão uma certa moleza sabe?
Conforme o vídeo desenrola e o bebê está pra sair (seja cesárea ou normal) minha mãos ficam moles e eu perco o controle sobre elas, dobrar os dedos exige um esforço sobre-humano, é uma sensação esquisitinha, às vezes chega a me dar tontura, às vezes não ...
Se isso não fosse trágico seria cômico!
A solução que encontrei pro meu problema?
Vou ler mais, me informar mais e não assistir vídeos de partos – independente de qual for!
Não estou fugindo da situação, mas já notei que isso mexe com meu emocional, portanto, pra que sofrer por antecedência? Deixa acontecer naturalmente né ... e o que tiver que ser será!
Minha médica não foi explicita em dizer se prefere cesárea ou normal – embora tenha dito que normal só se a mãe estiver bem preparada psicologicamente – mas acho que com a entrada do sétimo mês iremos conversar mais sobre isso!

Natural, cesárea, o que vier é lucro, o que eu quero é a Yasmin bem e aqui comigo!

Com amour

Mommy Juu – deixando a vida me levar...

___

Sobre a cachorrinha, ontem fiz vários cartazes, espalhei pelo bairro, mas ninguém ligou ainda, hoje não vou sair atrás dos donos dela pq o sol está de matar, mas tô andando com o telefone dum lado pro outro na esperança que alguém ligue!
E a Marie? Marie está deprimida de ciúmes e já teve uma crise por conta disso.

.

6 de dezembro de 2010

Arrumei o que fazer ...

Daí que quando eu estava no auge dos meus seis ou sete anos, enlouquecia minha mãe trazendo TODOS os animais que encontrava pra casa, podia ser cãozinho sarnento de rua, gatinho novinho, passarinho que caiu do ninho, cachorrinho que estava pra ser doado em casa de aves ... eu trazia pra casa, afinal, todos os animais precisam de um lar.
Minha mãe não deixava os bichinhos ficarem em casa, e me fazia devolver onde quer que eu tenha encontrado, e era uma choradeira só da minha parte.
Eu cresci, passei a entender melhor as coisas e vi que minha mãe estava certa, não dá pra colocar todos os animais sem teto em casa, e a vida seguiu.
Tive diversos cachorros, até que decidi que não teria mais bicho nenhum, eu sofria e sofro muito quando alguma coisa acontece à eles, e fico totalmente depressiva por dias quando eles se vão por qualquer motivo.
Aí chegou a Marie na minha vida, me amoleceu tanto que chego a ser boba na mão de um serzinho de quatro quilos que não tem nem 30 cm de altura.
Trato a Marie como se fosse minha filhinha mesmo, é cachorrinha de dentro de casa e vive como uma rainha.
É uma cachorrinha doce, compreensiva, não destrói nada, delicada, carinhosa demais, não é porca, quietinha, sentimentallll, e mais uma lista de adjetivos que eu poderia fazer por dias, pq amo a Marie demais, a ponto de chorar feito criança só de pensar que um dia ela irá para “o céu dos cachorros”.
Pra quem não sabe, Marie tem crises convulsivas, fazemos acompanhamento com a veterinária e controlamos com Gardenal pediátrico, sempre que vamos dar o remédio à ela digo que são as “gotinhas de bem estar do dia”, mas pra ela dane-se o bem estar, ela ODEIA o remédio e ponto.
Ela exige cuidados que um cachorrinho “normal” não daria, afinal, temos que estar sempre com ela, de olho pra ver se ela não tem crise convulsiva, pq pode se machucar feio durante os momentos de inconsiência caso ninguém a segure, tem o horário da medicação - que nos segura em casa ás vezes...
Enfim, vocês notaram que a Marie é o nosso xodó, é a nossa filhinha, nosso bebê, nossa alegria (pq ela nos dá muita alegria)! ?
Mas ontem de noite, levando a Marie pra dar seu passeio noturno e ao voltar, havia alguém nos esperando no portão.
Não era uma pessoa, era uma cachorrinha, uma senhora cachorrinha.
Ela é velhinha, tem os pêlos branquinhos no corpo e as patas cinzas, bem tratada, é dentucinha, carinhosa e pra me ganhar usava um lacinho rosa no “cabelo”.
Estava chovendo, mas ela estava onde é coberto pela garagem na rua, acredito que ela deve ter escapado da casa onde mora, e a chuva apagou o cheiro que a faria voltar pra casa – logo está perdida.
À principio não a colocaríamos pra dentro. Coloquei comida, água e uma manta pra ela fora de casa, mas quem disse que ela ficou lá?
Não chorou, mas plantou no portão querendo entrar, como se fosse de casa e esperasse que abrissemos o portão pra ela.
No fim das contas, colocamos ela dentro da garagem – pelo menos ali ela estaria quentinha e protegida de maldades.
Durante a madrugada não deu um pio, ficou quietinha de tudo e quando me viu de manhã quis brincar.
A questão é que a Marie tá doida de ciúmes, a casa é dela, somos os pais dela, e ela é possessiva, não aceita nos dividir com ninguém.
Confesso que não dá pra ter mais que um animalzinho em casa, pet shop, cuidados, comida boa, consultas veterinárias ... tudo isso vai sair caro, pq com a Marie já sai, duas cachorrinhas é impossível bancarmos.
Conclusão, arrumei o que fazer, pq hoje irei de porta em porta aqui no bairro com uma foto da cachorrinha ver se alguém a conhece pra que ela possa voltar pros donos.
Enquanto não achar uma família pra ela, ou a família dela, ela fica aqui, na garagem, mas sem contato com a doidinha de ciúmes da Marie, pelo menos terá água fresquinha e comida,mas tenho que achar a casa dela.
Ela é dócil demais, boazinha demais pra que eu simplesmente a solte na rua.
Eu poderia solta-la na rua, fazer qualquer coisa assim, mas vou atrás dos donos dela, afinal, se fosse com a minha Marie, eu gostaria que tivessem o mesmo cuidado, embora não possa exigir dos outros as atitudes que tenho, mas a vida é um eterno eco, o que faço hoje ecoa amanhã, e bondade gera bondade né ? Portanto, lá vou eu nessa missão!
Não há a possibilidade de ficarmos com ela, mas ela precisa de um lar!

Fiquei pensando, se fosse obrigatório por lei que todos os cachorros e gatos tivessem uma plaquinha de identificação com nome e telefone, isso poderia ser evitado. Minha Marie não tem, e vou providenciar uma pra ela já, não posso pensar na possibilidade de perdê-la nunca.

Agora deixe-me ir lá, pq tenho que andar muito hoje atrás dessa família!

Boa semaninha pra todas ...

Com amour

Mommy Juu – agora ocupadíssima .
.

3 de dezembro de 2010

Patrimônio público?

Daí que grávida que não gosta de muito contato passa mais bocados durante a gravidez.
Quando me descobri grávida vi que há um universo paralelo pra nós que estamos nessa condição de graça – pq pelo menos eu estou em graça por poder carregar algo tão precioso dentro de mim.
As pessoas querem saber como estamos, com está o bebê, fazem perguntas, se mostram interessadas e carinhosas ... enfim, elas se aproximam mais - algumas com bons interesses, outras não ...
Aíi a barriga cresce e o bebê começa a chutar e o expectador de fora se sente no direito de por a mão na barriga.
A barriga parece estátua do Buda, todo mundo quer passar a mão e fazer um pedido, agradecer uma graça alcançada ... melhor ainda, fica parecendo lâmpada mágica, o povo quer passar a mão, assim o gênio aparece e dá pra fazer três pedidos.
Brincadeiras à parte, mas acho que toda grávida passa por isso, chega a ser engraçado, pq algumas pessoas já chegam tocando a barriga, conversando com ela sem antes falar ao menos “oi” pra nós mamães.
Confesso que sou uma pessoa reservada, odeio fazer cara de paisagem pra quem não conheço,e ultimamente ando sem paciência pra fazer social com quem tolero (serão os hormônios?), logo, não é todo mundo que eu deixo colocar a mão na barriga não.
Não me sinto melhor que ninguém, de jeito nenhum, mas não gosto que pessoas que me conhecem de “oi e tchau” cheguem metendo o mãozão na pancinha!
Meu marido, meus pais, minha irmã, alguns familiares, amigos ... tem toda liberdade pra passar a mão na barriga, não fico constrangida, pelo contrário, são pessoas que amo, que amam Yasmin desde sempre, e que já demonstram o carinho que tem por ela mesmo antes de conhecê-la.
Mas acho constrangedor quando pessoas que não tenho a menor intimidade de toque vem passar a mão na barriga, pode parecer mau educado da minha parte, mas eu falo “ihhh, a Yasmin está dormindo!” e recuo.
Algumas entendem, outras querem futucar pra ver se ela acorda (bom senso zero né?), outras ficam olhando ...
As vezes fico me sentindo má, penso “poxa vida, a pessoa só quer se aproximar...”, até pq a gravidez é um momento que costuma trazer as pessoas pra perto de nós, mas eu simplesmente não consigo.
Entendo a boa vontade alheia, a curiosidade das pessoas, mas só deixo tocar na minha barriga quem eu gosto, não sou chegada nessa passassão de mão,mas acho legal quando elogiam, quando olham com ternura, e se a pessoa olha com muita ternura, muito carinho, acabo deixando passar a mão, mas não me sinto a vontade com isso.

Só eu que sou doida assim, que não gosto de muito contato físico, que tô passando por isso, ou é normal mesmo e os “non senses” da vida existem aos montes espalhados próximos a todas as grávidas querendo tocar nossas barrigas como se fossemos lâmpadas mágicas com gênios dentro ?

Bom fim de semana à todas vocês que passam por aqui

Com amour

Mommy Juu – a grávida anti-social !

.

2 de dezembro de 2010

Fui boicotada e outros assuntos!

Daí que minha médica deve estar me boicotando!
Não estou brava, estressada nem nada disso, mas só pra registrar aqui minha consulta que era dia 06/12, segunda feira, às 11 da manhã foi transferida pro dia 15/12 às 15:00!
Como diz minha avó “o que não tem remédio, remediado está!”, então que remarquem né, masss dia 22/12 tenho consulta de novo, não quero nem saber, vou me consultar com ela em intervalo de uma semana e que se exploda, eu tenho senso de humor e tempo disponível (muito tempo aliás), portanto, terei a oportunidade de ouvir o coração da Yasmin duas vezes em menos de uma semana, e vou até dar uma abusadinha pedindo pra ela me mostrar a Yasmin láaaaa na maquininha de ultra som do consultório dela!
Afinal, quem não chora não mama né?

Mudando de assunto ...

Estou ausente no blog esse mês por alguns motivos, vamos lá:

1º - Meu super marido estava de férias,e dediquei meu tempo livre à estar com ele curtindo cada momentinho das férias, e acho que estou certa, tenho que aproveitar bem o tempo com ele, pq quando está trabalhando ficamos grudados o dia todo só aos domingos, e eu quis ficar grudadinha nele o tempo todo pq ele é a melhor companhia do mundo, loooooogo, sobrou menos tempo pra internet e essas coisas que eu gosto de fazer e ocupam meu tempo quando ele não está em casa,
Fiquei mau acostumada com ele me mimando o tempo todo, mas ficarei bem, são só oito horinhas sem mimos.

2º - Bordei algumas toalhinhas pra Yasmin, fiz os saquinhos e os laços que irão em cada lembrancinha, mas a cesta onde elas irão ainda tá pendente, looogo, terei que dedicar tempo e imaginação em preparâ-la, e ainda falta começar a pintar o kit higiene ... já viram que meu tempo que antes era corrido agora tá ficando mega escasso né?

3º - O serviço de casa é cansativo, passar roupas é um transtorno por conta desse calor maledeto que tem feito, então, o tempo que não estou com marido ou aprontando as coisinhas da Yasmin estou deitada pq minhas costas doem e meus pés estão inchados, tenho descansado muiiito mesmo!

Mas com meu super marido trabalhando terei tempo pra ficar aqui com vocês, postando e conversando.
Espero que entendam minha ausência, e prometo que tentarei postar com mais frequência agora que terei mais tempo "ocioso".

Com amour

Mommy Juu
.

29 de novembro de 2010

Desligada mode on ...

Daí que eu já contei aqui que eu ando totalmente desligada, aérea, com os pensamentos nas nuvens e a cabeça na lua, mas a cada dia que passa me supero mais, explico:
Em toda consulta a médica faz as contas de quando será meu retorno, na última consulta que tivemos ela pediu o retorno pro dia 30 de novembro – no caso amanhã.
Saio do consultório, passo na recepção e marco pra quando ela pediu, e assim sempre foi, e com um ou dois dias de antecedência o convênio liga pra confirmar a consulta – uma forma de fazer a gente lembrar que tem que ir, né ?
Nesse contato a gente confirma, desmarca, ou remarca, e se a consulta estiver confirmada e eu faltar, vem descontado um valor não muito barato do salário do marido descobrimos isso pq um mês veio quase cem reais descontados de taxas por ter faltado em consulta, e como dinheiro não dá em árvore – pelo menos aqui em casa - o negócio é não faltar nas consultas, até pq é o acompanhamento da Yasmin e eu conto os dias pra cada consulta.

Voltando ...
Na última consulta, a médica pediu retorno pro dia 30/11 e eu marquei assim q saí do consultório, mas no dia seguinte me liga a secretária pedindo pra remarcar pq a médica não atenderia dia 30, e o que seriam 4 dias adiantados né?
Remarquei sem problemas, massss fiquei com o pensamento que minha consulta era dia 30, simplesmente deletei da memória a ligação da moça, apaguei, deu branco, e lógico que não fui na consulta dia 26 né!
Na minha cabeça a consulta era dia 30, e tava me preparando pra ir na consulta amanhã, quando esqueci a hora da consulta e decidi ligar lá pra saber o horário da consulta né!

Julia diz : - Ô moça, eu tenho consulta amanhã mas não sei o horário, dá uma olhadinha pra mim por favor.
Moça diz: - Mas amanhã a doutora não vai atender, pêera ai que vou ver o dia da sua próxima consulta.


Tempinho depois ela me joga a bomba que minha consulta foi sexta e eu faltei, e a próxima, haha, a próxima só dia 22 de dezembro (mas essa eu já sabia)!
Julia diz: - Mas moça, o meu é pré natal, tô sendo acompanhada pela médica desde antes de engravidar, é consulta importante, arruma um encaixe ai, uma desistência, peloamor!!!
Moça diz:
- Não tenho desistência e não consigo fazer encaixe, a Dra só vai ter consulta disponível em janeiro, posso colocar uma observação que se houver desistência eu ligo pra você, mas não tem jeito.

Concordei né, fazer o que?

Desliguei o telefone com cara de taxo, inconformada e triste por ter perdido a consulta, e expliquei pro marido e pra minha irmã que estavam ouvindo tudo mas não entenderam o que aconteceu.
Minha irmã inconformada pegou o telefone e ligou de volta no consultório:

Laís mega Power brava diz pra primeira atendente: - Ô minha filha, é o seguinte,meu nome é Julia eu tinha consulta pro dia 30, desmarcaram e remarcaram pro dia 26, mas ninguém daí ligou confirmando se minha consulta seria realmente dia 26, e acabou que eu perdi minha consulta.
Tô grávida de seis meses, é urgente e eu preciso que vocês remarquem a consulta, dêem um jeito, pq eu tenho que passar com a médica, vê o que vc pode fazer aí.

Eu olhando pasma né, marido idem.

Laís um pouco menos Power brava diz: - Tá bem, dia 6/12 às 11 da manhã tá ótimo, passar bem‼

E ploooooffff, desligou o telefone depois de passar meus dados pra marcar a consulta – nem deu xauzinho pra mocinha, agradecer ? Muito menos!

Não sei se a outra estava de má vontade, se era novata, se nunca mexeu num computador, sei lá, não quero fazer julgamento antecipado, mas era fim de expediente né ... liguei as 16:50, e o ultimo atendimento é as 17:00.
Bom, prefiro acreditar que ela é novata, pq me nego a crer que alguém possa recusar consulta pra uma grávida de seis meses.

Laís disse brava pra mim que com a delicadeza que eu falo com as pessoas no telefone, obrigado pra cá, obrigada pra lá, eu nunca vou conseguir nada mesmo, o negócio é saber se impor – e ela tá certa né, embora eu continue achando que a educação só abre portas e um obrigada não vai fazer cair minha língua!

Consulta marcada, ela me fez anotar o dia e a hora e grudar na geladeira, pra não esquecer – aí escrevi em letras garrafais e tá lá, marcado na lousinha, pra não esquecer mesmo.

Só quero ver onde que vou parar esquecida desse jeito, como marido disse, eu esqueço compromisso, esqueço onde coloquei a chave (quase nunca sei onde minha chave tá), esqueço de fazer diversas coisas, mas não esqueço onde coloco o dinheiro e não esqueço de gasta-lo, aliás, segundo ele, minha mente é ótima em planejar e lembrar no que tenho que gastar – pura verdade‼

O que me conforta é saber que depois que a Yasmin nascer provavelmente minha memória de elefante vai voltar pro lugar, e que esquecimento é coisa de mulher grávida mesmo, uuuufa.

E vocês florzinhas, já chegaram ao ponto de esquecer consulta ?

Com amor

Mommy Juu – indo costurar as lembrancinhas da maternidade antes que me esqueça!

Boa terça à todas‼
.

28 de novembro de 2010

Que sonho bom!

Daí que eu me achava a grávida/mamãe mais desnaturada do mundo pq NUNCA tinha sonhado com a Yasmin.
Passo várias horas do dia imaginando como ela será, a cor da pele, os olhinhos, os pézinhos (que eu adoraria que fossem como os do Pablo, pq meus pés são gordinhos e mais parecem nadadeiras), se vai ser fofinha, quietinha, enfim, nessa reta final agora é impossível ficar sem idealizar esse tipo de coisa.
E mesmo quando estou fazendo outra coisa, uma simples distração se torna motivo pra pensar nela, se brinco com a Marie logo penso “será que ela vai brincar e amar a Marie?”, ou “nooossa, algodão doce, tomara que ela goste de algodão doce assim como eu!”, e se infelizmente vejo alguma notícia ruim na TV me pego pensando “que nada disso nunca aflija minha menininha...”.
E assim seguem-se os dias né, já tinha me acostumado com o fato de não sonhar com ela, sabe-se lá pq não tinha sonhado antes, mas hoje tcharammmmm, sonhei!
Não foi o sonho inteiro com ela, foi um pedacinho só, mas uma sensação tão gostosa de poder ver o rostinho dela, pegar ela no colo, sentir o cheirinho de bebe que ela tem (éeeeeeee no meu sonho eu senti até o cheirinho dela).
Yasmin no sonho era um bebê calmo, e sorridente, sorria dormindo,como se estivessem brincando com ela, clarinha com as bochechas rosinha e tinha muito cabelo, um cabelo clarinho, não chegava a ser loiro, mas era claro, com um lacinho rosa claro de poá branco preso nele.
Imagina se eu não me derreti em ter uma criaturinha tão fofa no colo? Me derreti igual gelo em dia de verão, e ganhei o domingo em ter sonhado com a minha fofurinha!!
O mais interessante é que ela não se parecia comigo ou com o Pablo, lembrava muito minha irmã quando era bebê (e eu acho que ela foi um bebê lindo).

Sonhando...

No sonho eu e Pablo chegávamos da rua (e eu não faço a mínima idéia de onde estávamos vindo), fomos até seu bercinho e ela estava dormindo e sorrindo.
Olhei para o relógio e vi que era hora dela mamar, fiquei com pena de acorda-la, mas peguei no colo mesmo assim e dei de mamar à ela, enquanto ela mamava eu conversava com o Pablo e ele todo babão em cima dela, olhava todo apaixonado pra criaturinha em meus braços, falava pra ela “Mimi mama logo pro papai pegar vc no colo!”, nessa hora ela abria os olhos e soltava uma gargalhada muito gostosa.
Fim do sonho.
Meu sonho acabou, assim do nada, nem deu tempo do Pablo pegar ela no colo (coitado do papai babão).

Voltando pra realidade...

Acabei de ter esse sonho tãooo meigo e cheiroso (pq eu sentia o cheirinho dela a todo momento) e acordei ás oito horas da manhã, sentei na cama, olhei pro relógio e juro pra vocês que vi marcando duas e quinze da tarde, acordei o Pablo e disse:
- Amour, acorda, olha com a gente dormiu bastante, são duas e quinze da tarde!
Pablo abriu os olhos, olhou pro relógio, afundou a cabeça no travesseiro e se saiu com essa:
- Julia, peloamordedeus, são oito da manhã, volta a dormir menina!
Fiquei aliviada de ser tão cedo e de saber que poderia dormir mais, peguei no sono de novo, mas não voltei a sonhar com minha Yasmin ... uma pena né?

O que importa é que ganhei o domingo tendo um sono tão gostoso!

E vocês, já sonharam com seus tesourinhos ??

Beijos e boa segunda à todas

Mommy Juu – suspirando pela Yasmin

.

25 de novembro de 2010

Montanha russa de sentimentos ...

Daí que esse lance de hormônios enlouquece qualquer uma!
Tô falando isso pq de uns dias pra cá notei que meu humor tá mais oscilante que montanha russa.
Confesso que ando sem paciência com as pessoas, com as coisas, e poxa, isso é ruim, eu sempre fui paciente, e agora me vejo imediatista, qualquer demora me irrita, ter que explicar a mesma coisa duas vezes me faz ficar alterada ...
Ainda não começou a me prejudicar, e espero que não prejudique meu relacionamento com as pessoas, mas sabe quando o sangue sobe na cabeça por qualquer coisinha e vc quer dar uma resposta mais torta? Eu tô assim, mas me contendo pra não dar resposta torta pra ninguém – até pq quem diz o que não deve ouve o que não quer!
Se fosse só esse stress tava bom, mas tem dias que me sinto introspectiva, sem vontade de conversar com ninguém, gosto de ficar perto das pessoas, contanto que seja quietinha no meu canto sem falar nada, sem ter que responder nada, como se eu fosse uma porta, uma pedra, sei lá, como se eu fosse invisível.
Ontem Pablo me perguntou se eu estava meio jururu, fui sincera, respondi que sim mas pra ele não se preocupar que nem eu sabia o pq.
Hoje acordei jururu de novo e ele já notou, perguntou, e eu dei a mesma resposta de ontem, que sim, mas que sei lá pq (pq realmente eu não sei!).
Agora, a vontade de chorar por bobagens é uma coisa louca.
Por um comercial na TV, por alguém falar mais alto comigo, por ter chutado a porta sem querer, por isso, por aquilo ... eu dou uma segurada e evito, até pq senão vou viver em meio a lenços de papel e com o nariz igual um tomate maduro!
E se não tem motivo pra chorar não tem problema, pq aquele nó na garganta de quando a gente segura o choro, ele permanece ali, o dia todo, sensação esquisita essa!
Que essa maré de sentimentos esquisitos passe logo, ser uma pessoa depressiva é horrível (digo isso pq to me sentindo meio deprê), e eu sempre fui tão alegrinha, tão felizinha que to incomodada com isso. Mas passa, td passa, aliás, vou ali comer uns chocolates pra ver se com uma recarga de serotonina eu melhoro desse mau humor e dessa tristeza chata!

Pergunta: Na reta final da gravidez os hormônios se intensificam assim mesmo deixando a gente numa TPM gigante e louca ?

Com amor

Mommy Juu
.

22 de novembro de 2010

A preguiça me consome ...

Daí que eu achava que tudo ia passar muito devagar, tudo tem passado rápido demais, parece que foi ontem que descobri que estava grávida e ficava estufando a pança na frente do espelho e hoje estou eu aqui, com a pança saliente e a Yasmin botando pra ferver nas raves que ela faz dentro da barriga.
Pouco a pouco as mudanças vão se instalando, antes coisas que me davam um prazer imenso hoje não me parecem tão atrativas.

Tenho entrado em verdadeiro desespero se vou à algum lugar que não tem lugar pra sentar, já chego procurando uma cadeira, um banquinho, sei lá, qualquer coisa que eu possa me acomodar .

- Filas num geral?
Só se for no preferencial pra não ficar muito tempo em pé – e não é frescura, minhas pernas começam a doer e parece que tem formigas picando minha bunda toda de tanto que incomoda.

- Estacionar longe de onde vou?
Nem a pau, uso vaga preferencial mesmo, e deveria ter vaga pra gestante em todos os lugares assim como tem pra idoso, portador de necessidade especial deveria ter uma escrita gestante.
Tô de saco cheio de estacionar longe e ter que andar quilômetros pra chegar onde precisava, agora é assim, na vaga preferencial já que a barriga é mega aparente.

- Andar a esmo no shopping em busca de qualquer coisa que me agrade?
Não, obrigada, mas prefiro ficar em casa.

- Almoçar ou jantar fora ?
Só se a comida for verdadeiramente boa e não tiver que esperar pra conseguir mesa – lugares lotados tem me dado fobia.

- Limpar a casa e fazer comida?
Só se eu puder picar meu serviço em dez e dez minutos, senão deixo como está, ficar em pé tempo demais limpando, estendendo roupa ou qualquer atividade repetitiva que exija muito de mim, verdadeiramente me cansa, até cozinhar que é algo que eu adoro tem me cansado fácil.

- Pensar?
Pensar também tem me deixado cansada, meus pensamentos ficam sempre em torno das mesmas coisas, se Yasmin está bem, com quem ela se parecerá, as coisas que faltam, o parto ...
Não que tenha alguma coisa errada, mas Jeeeeeeesus, parece que nunca chega o dia que ela vai nascer, tô ansiosa!

Minha vida tá uma preguicinha deliciosa, e as facilidades que a gravidez dá pra gente tem me deixado folgada (que vergonha confessar isso), mas é a pura verdade, tô mau acostumada, mesmo evitando sair tanto, sempre tem uma exceção pra grávida, desde comprar pipoca na fila quilométrica de estréia do Harry Potter até o estacionamento preferencial.
Acho que depois da barriga isso e uma coisa que eu vou sentir falta quando a Yasmin chegar, afinal é tão gostoso passar na frente sem ter que esperar e perder hooooooooras alisando a barriga e sentindo a Yasmin mexer dentro de mim ...

Mas voltando ao foco principal do post, troco qualquer coisa por uma sonequinha, antes eu era preguiçosa, mas agora tô a rainha da preguiça, tudo tem me desanimado e a não ser que eu tenha muitas mordomias ao sair, prefiro é ficar em casa mesmo, de preferência na minha cama, com o ventilador ligado e mudando os canais da tv toda hora até pegar no sono!

Só eu que to nesse estágio de necessidade de hibernação fora da realidade ou é assim mesmo?
Sempre fui preguiçosinha, mas agora to me assustando com tamanha preguiça.

Me acudam, pq se não for normal tenho que dar um jeito nisso o quanto antes.

Boa semana pra todas vocês

Com amor

Mommy Juu – a preguiçosa
.

 

.De princesa encantada a rainha do lar... 2013 Desenvolvido por Frufruzando | Todos os direitos reservados, proibida qualquer tipo de cópia!