27 de dezembro de 2011

Feliz aniversário amour!

Há 29 anos, nascia um bebê fofinho, gorducho, marrentinho e bravo, que futuramente mudaria minha vida.
Pablo, hoje é seu dia, feliz aniversário meu amor, que esses 29 anos sejam melhores que os 28, que vc viva mais, se apaixone mais por mim (é óbvio), que faça melhores escolhas - em todos os sentidos - que vc faça mais por vc, pelo mundo, mas que começe fazendo pelas pessoas que te cercam e te amam.
Que vc seja merecedor de mais um ano, porque, apesar de todas as lágrimas derramadas e algumas decepções, viver vale muito a pena.
Hoje é o seu dia, mas quem ganhou o maior presente com a sua vida, sem dúvida fui eu.
Vem com tudo 2.9!

Te amo muito!

Feliz aniversário.

Beijos nossos

Ju e Mimi

23 de dezembro de 2011

A difícil arte de educar e de blogar

Hoje que sou mãe eu sinto na pele a diferença entre criar e educar, e confesso que nem de longe eu poderia imaginar que educar bem uma criança fosse uma tarefa tão árdua – pensei que fosse coisinha básica, que a gente tira de letra, mas não é.
Não é a toa que cada dia mais eu vejo crianças mau educadas, que conseguem tudo que querem na base do grito, esperneando e até batendo nos pais.
É muito mais fácil ceder aos caprichos de uma criança quando ela faz birra e vê-la quieta duma vez, do que repreender e dizer que não, que não pode e o pq de não poder.
Confesso que muitas vezes a possibilidade de sucumbir ás birras de dona Yasmin me parece a saída mais fácil, mas dificilmente me deixo levar, pq sei que lá na frente colherei bons frutos em ter uma filha educada e que sabe me obedecer quando eu digo não.
Dizer é fácil, difícil mesmo é ter postura e sustentar esse não, pq ele não valerá de nada se após instantes ele virar um sim.
Minha filha é uma criança curiosa, exploradora, mas acima de qualquer coisa ela é tinhosa, é birrenta, é brava.
É doce sim, é uma criança sorridente, uma menininha muito feliz, mas aiii se as coisas não forem do jeito dela.
Ela quer fazer tudo, e quando é repreendida pasmem, grita comigo, mas grita mesmo e me enfrenta, vendo até onde vai minha autoridade.
Quando vê que não vou ceder, dá risadinhas pra ver se me ganha, e se mesmo assim não me rendo, aí ela ri debochando.
Ela é debochada, e fico pasma como um ser tão novinho pode ter características tão fortes, uma personalidade tão definida.
Mas como já disse, o mais difícil é sustentar o não.
O sangue me ferve quando vejo ela fazendo birra sem motivo, e nesses momentos vou no banheiro, lavo o rosto, respiro fundo e volto – e ela continua coma birra.
Não quero entrar no mérito da questão palmada, até pq minha opinião é controversa ao que a maioria acredita, mas já dei palmadinhas nas mãos dela e de nada adiantou, porém, muitas vezes que ela fez e faz birra eu penso “ah baixinha, se vc fosse maior ia te dar umas palmadas pra você chorar com motivo!”, podem me julgar, mas não tem o pq eu mentir no meu próprio espaço dizendo não pensar coisas que penso, porém, daí a ter coragem são outros quinhentos, e pelo que conheço da minha filha, palmada é capaz de não funcionar.
Mas sobre o que eu tava falando, mesmo?

Em contrapartida eu criei esse e outros 400 blogs que eu tive pra dividir experiências, compartilhar e aprender com mães de carne e osso como eu.
Eu tive blog diário – isso em 2005 – blog de noiva, blog de bebê – quando engravidei a primeira vez – blog de tentante, blog de mãe, blog de dieta ... e o mais legal de todos eles era sentar e ler páaaaaaaaaginas e páginas escritas por alguém que passava as mesmas coisas que eu, me identificar com histórias que pareciam com a minha, saber que em algum lugar dessa galáxia alguém me entenderia.
Bons tempos esses.
Hoje em dia, são poucos os blogs reais, blogs de mães que falam verdadeiramente com o coração, que relatam suas experiências como mães reais e não mães super perfeitas que se enquadram no padrão pré estabelecido de maternidade moderna.
O legal é seguir aquele blog pop, que tem quatro milhões de seguidores, anúncios por todos os lados, sorteios dos mais diversos, e que o foco na maternidade mesmo é zero, o blog mais parece uma revista virtual do que um blog real.
Aí eu sento pra procurar, ler, saber se alguém em alguma galáxia passa pelo mesmo que eu, e me entristeço em ver que a blogsfera mudou tanto, que ao invés de compartilhar experiências, as pessoas estão interessadas em ter seguidores as pencas, divulgar sorteios, e o foco inicial já era.
Não to generalizando, mas muitas blogueiras estão vendidas a isso, e sabe, desanima.
Desanima saber que eu sei que existem mães como eu, que perdem a linha vez ou outra e falam mais grosso com o filho, que já estão de saco cheio de fazer papinha, que não agüentam mais serem cobradas das mais diversas formas, e que essas mães se escondem, pq muitas vezes não se encaixam no padrão de mãe estrela que hoje é cobrado, e aí se sentem acuadas para escrever.
Acho que quando criamos um blog a idéia é falar sobre um assunto que temos experiência, ou estamos aprendendo diariamente, falar sobre o que se sente, acho que o coração de um blog é a troca de experiências, e hoje em dia troca-se de tudo, menos experiência, porque são poucas que querem contar as experiências que tem.

Aí, embalada nesses pensamentos fiz uma faxina no meu blogroll (acho essa palavra tão chique), o que eu quero na blogsfera é encontrar pessoas verdadeiras, que se sentem como eu me sinto, e não que ficam divulgando sorteios (que são muito legais de vez em quando, e eu participo), não quero seguir um blog só pra ganhar o prêmio, eu quero conversar com gente como eu, que quase não tem contato social com o mundo pq está a disposição do filho o tempo todo, e encontra na internet uma válvula de escape.

Peço desculpas se você não está mais na listinha ao lado, mas espero que entenda que o intuito do meu blog é esse, e eu não me importo em ter 1 seguidor ou 1 milhão – até pq eu nunca achei que leriam o que escrevo.

E um adendo, pode acontecer de você não estar na listinha, mas estar nos meus favoritos. Eu retribuo visitas mas infelizmente não comento.
E não comento por falta de tempo, aliás, não sei como fiz um post tão grande.
Mas pouco a pouco vou colocando os blogs na lista e tudo vai entrar nos conformes, a coisa aqui é lenta – eu sou lenta mesmo – e a Yasmin exige demais de mim, e entre me dedicar a um espaço virtual e minha filha, eu prefiro ficar com ela.

Então é isso, se chegou aqui, parabéns mesmo.

Não tenho a intenção de fechar o blog, mas estou desanimada de verdade, e é por isso que as postagens diminuíram tanto!

Beijos

18 de dezembro de 2011

Aconteceu agora pouco...

Tô eu aqui em casa brincando com a Mimi e bateram palmas no portão.
Ao atender, um senhor muito simples disse:
- Moça, boa tarde, eu trabalho com reciclagem e hoje por ser domingo não consegui pegar muita coisa, e estou com muita fome, você não tem um pedaço de pão velho pra me dar?

Fui até a cozinha, peguei dois pães do café da manhã, abri, passei manteiga, e embrulhei num pacotinho.

Ao chegar no portão, ele estava sentado esperando, se levantou e antes que eu abrisse o portão ao ver o embrulho já estava com os olhos brilhando.

Entreguei o pacote e disse:
- Senhor, é o que eu tenho (e realmente era, pq de domingo almoçamos fora).

E aquele senhor abriu o pacote, abocanhou o pão com uma fome que eu nunca vi antes, me agradeceu e seguiu seu caminho.

Caminhei para dentro, muda, sem saber o que dizer, as vezes reclamo por não ter coisa x, quando na verdade deveria agradecer por tudo que tenho.

Essa é um daqueles episódios de vida, que com certeza irão me acompanhar para sempre.


“ Um homem com fome não é um homem livre!”
- Robert Louis Stevenson


Boa semaninha

13 de dezembro de 2011

Bodas de couro


Pra quem acha que é só filho que cresce rápido, ledo engano, a gente casa, e parece que a pessoa faz parte da nossa vida desde sempre.
De verdade, parece que Pablo e eu fomos amigos de infância, que sempre estivemos juntos, compartilhando alegrias e lágrimas, momentos de todo tipo, mas principalmente sorrisos.
Se pudesse voltar no tempo e fazer escolhas, faria a mesma escolha que fiz quando decidi me casar com o homem que considero o que é meu número, perfeito pra mim, que completa meus dias.
Acordar ao lado dele me dá a certeza que se sou uma mulher feliz, realizada, sorridente, amada e respeitada, e sei que esses primeiros três anos são os primeiros de muitos que virão.
E se eu puder fazer um desejo só para todas as pessoas não é paz mundial, fim das guerras nem nada disso, meu desejo é que todos encontrem um amor como eu encontrei.
Um amor que me completa, me realiza, me renova, me faz feliz, que todos encontrem um amor que faz bem assim, pq só o amor muda as coisas, só ele é capaz de mover montanhas, só ele é capaz de tudo.

Pablo, obrigada por esse terceiro ano de casório, obrigada por me amar, completar e preencher.
Te amo hoje, te amo amanhã e te amo pra sempre!

Não sei se a vida é maior que a morte, ou se a morte é maior que a vida.
Mas sei que o amor que sinto por você é maior que os dois!”

11 de dezembro de 2011

Ainda falando do primeiro dente...

Eis que até que enfim consegui uma foto do primeiro dentinho, sem ter que abrir a boca da criaturinha e ter o dedo mordido diversas vezes!
Deletem a parte da blusa toda babada e admirem o ponto branco que faz um estrago fenomenal na mão e no dedo de quem ousar coloca-lo na boca dessa menina.

E o dentinho não está mais solitário, os quatro de cima estão nascendo, todos já "brotaram", até a virada do ano eles estarão aparecendo nas fotos ... e vai ser divertido, quatro em cima e um embaixo ... e a boquinha dela deixará de ser mera boquinha pra se transformar numa arma letal! hauahuah

6 de dezembro de 2011

Ela é uma criança ou uma preguiça?

A Yasmin é das minhas, preguiçosa que só ela – acho que é a única coisa que ela tem de mim.
Ao contrário da maioria dos bebês da idade dela, ela não quer nem saber de segurar a mamadeira, se ela sabe? Sabe sim, mas é preguiçosa e não quer saber de segurar nada, os dias que ela segura a mamadeira são os dias que chovem (hahahaha, sem brincadeira nenhuma), e de verdade, não me importo com isso, deixa a menina ser preguiçosa e pronto.
E assim como ela tem preguiça de segurar a mamadeira, ela tinha preguiça de engatinhar, tanto é que a pediatra achou que ela não engatinharia, que andaria logo duma vez já que ela quer andar, andar e andar.
Sinceramente, não me preocupava nem com um nem com outro.



Cansei de escutar que o filho da fulana com cinco meses segurava a mamadeira e com seis meses já engatinhou.
Jura?
Bom pra ela, bom pro filho dela, minha filha não é nenhum prodígio, e segundo a pediatra ela está com o desenvolvimento motor normal, a única coisa que posso dizer que é “anormal” – se é que posso dizer isso – é que ela é uma menininha grande, é maior que muitas meninas da idade dela, mas segundo a pediatra, também está tudo bem, até pq o pai dela é grande, e o peso está proporcional a altura, segundo a tia doutora, ela será longilínea, então não há com o que se preocupar.
Voltando ... (pq eu divago demais, néh?)

Ela não queria saber de engatinhar, nem de segurar a mamadeira, até que ...
Ela engatinhou!

Assim, no tempo dela, sem pressão nenhuma.



Eu estava no laptop vendo qualquer coisa banal, e de repente ela quis alcançar um brinquedo, ficou de quatro, colocou um joelho posicionado na frente do outro e foi que foi, como se aquilo fosse a coisa mais natural do mundo e ela fizesse isso já desde a barriga.
Quando olhei com cara de alegria/surpresa ela deu risadinha e continuou seu rumo.

E agora é oficial, desde sábado minha pequena engatinha, e já se equilibra por volta de dez segundos em pé sozinha.

Agora, mais que nunca, eu tenho que ficar atenta, pq ela sobe em cima de caixa, e entra nos lugares mais inimaginavéis possíveis.

Ela não é um gênio, ela não é uma criança além do normal – e eu fico muito feliz por isso – mas confesso que meu coração fica pra explodir com esses avanços dela, fico toda pomposa igual um pavão quando se abre.
Tenho muito orgulho de hoje não ser só a Julia, hoje eu sou a Julia mãe da Yasmin, e isso é o que há de melhor na minha vida.

1 de dezembro de 2011

Das vergonhas que passamos com os filhos



Antes de contar o fato acontecido, tenho algumas considerações:

a) Yasmin não é nem um pouco tímida, e dá mole pra todo mundo!
b) Se você estender sua mão com a palma aberta pra ela, ou estender a mão com alguma coisa, ela acha que é pra bater na mão.
c) Ela come batatinhas do Mc Donald’s.
d) Se ela vai com a cara da pessoa ela fica chamando atenção até obtê-la integralmente.

Dito isso, continuo.

Sábado fomos ao shopping para que ela conhecesse o Papai Noel – e foi a tragédia do ano, ela se assustou muito e não deu nem pra tirar foto – e dar uma voltinha, afinal de contas, o Natal tá aí e eu tô sem idéia nenhuma de presente pra esse ano.

Passeamos, compramos, e enfim, hora do lanche.

Shopping lotado e a opção mais rápida era o Mc Donald’s, enquanto Pablo buscava nosso lanche, eu fiquei sentada esperando e dando a mamadeira da bonequinha, ela tomou sua mamadeira e as energias voltaram – tipo pilha quando recarrega, sabe?
Depois de mamar, não adiantava colocar no carrinho, ela queria ficar na mesa conosco, e é lógico que em cima da mesa não dava, então, juntei duas cadeiras e a coloquei do meu lado.
Não bastou.
Ela me viu comer batatinha e quis batatinhas, se eu fingia não ver ela resmungava em alto e bom som “ruuum, ruuum, ruuuuum!”, até que eu desse, e por fim cedi mesmo, dei uma em cada mãozinha.
Era um tal de amassa batatinha, enfia na boca, chupa, olha pra coitada da batata de novo e recomeça tooooodo processo, até que ...
Até que ela quis ficar em pé na cadeira, com apenas uma solitária batatinha na mão, diga-se de passagem, uma batatinha massacrada, uma pobre batatinha.
Segurei ela em pé, na cadeira, com o rostinho virado para trás de nós, e assim que ficou em pé, ela viu um rapaz atrás de nós comendo seu lanchinho do Mc sozinho.
Simpática que só ela, olhou pra ele, abriu a mãozinha que tinha a pobre batatinha massacrada, chupada, acabada e destruída, mostrou pra ele, e enfiou na boca de uma vez só, e ficou sorrindo para o moço – que comia suas prórprias batatinhas.
Tentei desviar atenção dela do rapaz e deixa-lo comer em paz, mas a Yasmin não dá folga, ela é chiclete mesmo.
Com as mãozinhas babadas apoioi na cadeira e ficou olhando o moço comer, e sorria e dava gritinhos para ele – e eu com a cara no chão de vergonha em ter uma filha tão descarada!
Até que o rapaz estendeu a embalagem de batatinhas pra ela e ofereceu.
Ela não entendeu direito e achou que ele estava estendo a mão pra ele pra ela bater, lógico que ele não sabia disso e recuou com as batatas.
E foi assim, ela olhava apaixonada, gritava, e eu com a cara no chão de vergonha.
Pablo terminou de comer e até que enfim eu poderia comer, meu lanche que a essa altura do campeonato já deveria estar frio.
Pablo pegou a pequenina no colo, a sentou na beiradinha da mesa, e quando abri meu lanche, inesperadamente, ela ENFIOU a mão super rápido, puxou um mega pedaço de pão do lanche e como uma selvagenzinha enfiou o pão na boca.
A criatura arteirinha daaaaaava super risadinhas e queria fazer de novo, até que Pablo se afastou de mim pra que eu pudesse comer em paz.

O rapaz, deu uma mega gargalhada, fez um gracejo com ela e foi embora.

Terminei meu lanche, fomos dar uma volta e depois tive que presenciar ela enfiando a carinha no sorvete da minha irmã.

Eu fico boba em como ela é indicisplinada e espontânea, massss um dia melhora, e sei que essas vergonhas que passo com ela um dia me farão dar boas risadas e que vou sentir saudades.

30 de novembro de 2011

Ela não para!


Sigam abaixo um dia com a Yasmin.

  • Quer fazer quatrocentas e dezessete coisas ao mesmo tempo.
  • Quer puxar o rabinho da Marie e comer sua patinha traseira esquerda (ela tem preferência pela esquerda!).
  • Tira a calça e arranca a fralda fora.
  • Puxa os meus cabelos, os cabelos dela, os meus brincos e os dela.
  • Quer morder minha aliança.
  • Fica abrindo minha blusa e a de quem seja para olhar dentro.
  • Puxa todo tipo de gaveta que vê, abre porta de armário e guarda roupa.
  • Corre de andador atrás da Marie pra puxar o rabinho – aliás, ela não quer só puxar, tem dia que quer enfiar o dedinho.
  • Bate um controle remoto no outro.
  • Joga tudo de dentro do berço pra fora.
  • Fica em pé no carrinho de passeio e quer ir em pé, não aceita colocar o cinto, e se não for em pé prefere colo ou grita e choooooooora que parece uma sirene de fábrica.
  • Pro meu desespero fica em pé na banheira e não há o que a faça sentar.
  • Puxa os cabelos do peito do pai.
  • Quer e aperta todos os botões que estão ao seu alcance.
  • Puxa os mais diversos fios.
  • Tira os sapatos, sandálias e meias que eu coloco em seus pés em menos de cinco minutos.
  • Debocha de mim e grita comigo quando dou bronca.
  • Enfia a escova de dente dela na boca da Marie – e é lógico que ela jpa trocou só de escova de dente umas doze vezes!
  • Só quer comer mamão se ele estiver picadinho e no garfo! (e me diz, tem idade pra ser fresca assim?)
  • Quer enfiar a mão no prato cheio de comida, aliás, quer se jogar na panela de comida.
  • Espalha comida pelo rosto e fica aquela meleca.
  • Tenta se jogar do cadeirão de alimentação.

Enfim, não preciso escrever mais coisas, deu pra ter uma leve idéia de como ela é.
Podem dizer que eu não sou uma mãe pulso firme, mas sou sim, falo mais alto e firme quando preciso, e nunca pensei que fosse dizer isso, mas ela está impossível, hahahaha.
Eu sempre torci os olhos quando alguma mãe dizia isso, principalmente se ela soletrava “Meu filho está im-pos-sí-vel!” e achava a treva, onde já se viu, uma criança ser impossível, isso não existe!

Existe, e se ela tem nome é Yasmin.
A menininha acaba comigo, é o dia inteiro sem parar.
Ela dorme vinte minutos por dia, e o restante dele é fazendo atividades que me deixam doida.
Já ouvi coisas do tipo “Bota essa menina pra acordar cedo!”, e já aviso de ante-mão, o ânimo dela se acordar as seis da madrugada ou às onze da manhã é o mesmo, e ela sóooooo vai dormir em torno de meia noite, e isso não tem como mudar, ela espera o pai chegar e pronto!

Aí eu pensei em descarregar toda essa energia na natação, e quando fui pra matricular me vem a notícia de que praquela escolinha de natação hpá fila de espera, e pelo visto longa, e se não for lá eu não quero, portanto, eu que dê um jeito de fazer essa menininha queimar mais energia.

Mas sabe que eu gosto dela ser molequinha desse jeito!
Uma coisa pe fato, filhos sempre irão nos surpreender e nunca serão como planejamos, eles sempre superarão nossas expectativas, e acho que é isso que faz a maternidade ser tão mágica e tão encantadora – só não é encantadora quando no fim do dia a gente toma um banho, passa o hidratante de corpo às turras e nem quer colocar o pijama, quer cair direto na cama – mas vale a pena, ah como vale!

Filha, você é a melhor coisa que aconteceu na minha vida!
Te amo meu terrorzinho absoluto.

Beijos

29 de novembro de 2011

Atrasada, mas os 9 meses!

Apenas um trimestre para o primeiro aninho, céus, como voou!
Se há alguns meses atrás eu trouxe um bebêzinho rosa, quietinho pra casa, hoje eu tenho uma menininha extremamente ativa, que não para um segundo – seja acordada ou dormindo.
Ela é extremamente carinhosa e sorridente, e eu me derreto no sorriso.
Ela ficou nove meses na barriga e agora está nove meses fora dela, e assim ela completa meus dias e alegra minha vida.
O que ela faz?

- Bate a mãozinha na nossa quando falamos “Bate aqui!”.
- Bate palminhas certinhas quando começamos a cantar Parabéns pra você.
- Se equilibra sozinha por alguns segundos (em torno de sete à oito) em pé.
- Não quer comer papinha, quer comida de gente grande.
- Segura a mamadeira quando lhe convém.
- Faz não com a cabeça.
- Anda se esgueirando pelos cantos, se tem onde apoiar tem onde andar.
- Quer tudo o tempo todo, e perde o interesse em segundos.
- Tá dando show pra dormir.
- Adora ficar no balanço.
- Assiste tv e continua maluquinha pelo jornal, mas curte uns três episódios seguidos de Pocoyo.
- Não quer saber de arquinhos no cabelo.
- Tem um dente e morde tudo com ele, e se der bobeira arranca nosso dedo fora.
- Quer ficar em pé na banheira.

Enfim, são tantas coisas que é impossível enumerar.
Nove meses ... em breve um aninho.
É, o tempo passa rápido demais pra nós que somos mães!

Beijos e boa terça

23 de novembro de 2011

Enquanto isso na pia do banheiro ...

Há um tempo atrás a Yasmin teve uma assadura MUITO feia, mas muito feia de verdade, que dava agonia de ver.

O motivo?
O lencinho umedecido dela acabou e eu só tinha de outra marca aqui, como não tinha como sair pra comprar, me virei com o que tinha, e quando abri a fralda depois vi o estrago que tava.
Sim, avermelhou pra caramba de uma troca pra outra, pra mim aquilo foi mais reação alérgica do que assadura, mas enfim ...

Pausa.

Ela só usa lenço Johnson e eu usei o Baby Wipes – que eu nunca vi ninguém reclamar!

Despausa.

Daí que o negócio foi feio mesmo, pedi até dicas pras meninas no Face do que fazer e tive muitas respostas, mas uma professora minha do curso de enfermagem disse que já que tava assim, eu deveria aposentar os lencinhos por um bom tempo e quando ela fizesse o número um ou o número dois que era pra usar água.
Pro xixi eu já usava o algodão com água, mas muitas vezes pro côco eu usava o lenço e higiapele #fail.

Ou seja, a cada cagada eu limpava com o lenço sim, e depois era pia, lavar a bundinha com o sabão neutro que ela usa.

Na primeira vez que ela foi com a bundinha de fora pro banheiro, ela achou que ia tomar banho, e dava gritinhos de felicidade enquanto eu lavava o bumbum, gritava alto e ria.

Só que nesse tempo tava fazendo um calor duzinfernos, lazarento mesmo, ela esperta que só, sabia que era alegria ir pra pia lavar a bunda, e já ia gritando no meio do caminho e dando altas risadas, até que ...

Ela fez que fez, se mexia igual uma minhoca na ardósia até que conseguiu entrar na pia.

Imagina uma criança que não para, e vc tentando lavar a bunda dela na torneira, essa era minha realidade.

Entrou na pia e ficou, batia a mão na água da torneira e agora é assim, quando tá calor e eu vou lavar a bunda dela (pq se tá frio eu uso o chuveirinho neh?), ela já entra e senta na pia, eu mesma coloco pra dar umas risadas, acho divertido uma pessoa ser tão pequenininha que cabe dentro da pia do banheiro, e gosta de estar lá!

E pra vocês verem que não é mentira, abaixo estão as fotos do crime:



Ahhhhh, o resfriadinho tá indo embora, o narizinho tá escorrendo pouco e agora vamos dar um passeio de fim de tarde!

Beijos pra vocês!

O primeiro resfriadinho a gente nunca esquece!

Ontem tive que sair pra resolver umas 417 coisas, e ir numa consulta médica (que é assunto pra outro post!) e pedi pra mamãe ficar com a Yasmin.
Quando voltei pra minha pequena, a mamãe comentou que provavelmente ela ficaria resfriadinha já que o narizinho estava escorrendo.
Pensei com meus botões que não havia de ser nada, e que é culpa dessa mudança louca de tempo - pq vamô combinar neh, uma hora chove, outra hora faz sol, uma hora faz sol e chuva ... não há sistema imunológico que aguente - e tudo se curaria com um banho quentinho.

Ah tá, senta á Cláudia!

Dei banho, dei comida, dei mamadeira e coloquei pra brincar, dois minutos depois, o narizinho escorrendo horrores, uma melequinha transparente, sabe?
Mas pergunta se ela se incomodava? Nem um cadinho de nada, ela queria mais era folia - e mesmo resfriada com o narizinho escorrendo e explodindo em bolinhas de meleca quando espirrava (momento nojo!) - ela queria mais folia.

Cansou e foi dormir (ela num foi né ... eu peguei, coloquei no berço ... deixa eu colocar bem as coisas pra que eu não pareça aquelas mães que dizem que o filho fala três línguas fluentes antes do primeiro ano).

A respiração tava com um poquinho de dificuldade sim, mas elevei um pouco o colchão pra ela não ficar congestionada (mais) e da-lhe Rinossoro no narizinho (essa parte ela odiou, aliás, ela odeia e olha com olharzinho fulminante qualquer um que queira colocar algo em seu nariz).
Acordou UMA única vez pra mamar, e dormiu relativamente bem, parecia um porquinho roncando né, mas dormiu bem sim.

Estou dando suquinho de laranja, e fiz duas inalações nela com soro fisiológico apenas, pra dar uma aliviadinha, mas ela está ótima, tá melhor que eu quando fico resfriada.

O apetite continua voraz como sempre, o pique pra brincar parece estar até maior.

E aí vocês podem pensar da onde que veio esse resfriado?

Veio do pai, que fez de tudo pra que ela não pegasse, evitou pegar no colo, encher de beijinhos, saía correndo pra espirrar longe dela (até pq ela não gosta que ninguém espirre perto dela), mas não funfou ... ela pegou o resfriadinho sim!

Mas é isso, oficialmente, dia 22/11/11 ela pegou seu primeiro resfriadinho.

Nota:

E antes que alguém ou algum anônimo (
pq tá na moda anônimo malvado dar o ar da graça nos blogs) fale que ela ficou resfriada pq não tem anticorpos pq eu não amamentei, eu afirmo com veêmencia, minha filha tem mais saúde que muita criança que eu conheço que mamou e mama no peito, que por sinal, vive resfriadinha, com narizinho escorrendo e sempre chorosa.
A Yasmin não mamou no peito, mas é fortinha e muito saudavél, eu acredito no poder da amamentação, mas hoje, sei que pra uma criança ser saudavél ela não precisa ter mamado exclusivamente no peito, aliás, hoje eu sei muita coisa que antes eu não sabia.

Tô dizendo essa parte da amamentação, pq certa vez eu mencionei que a Mimi não mamou no peito e recebi um recadinho mau criado dizendo que minha filha não seria saudavél como as outras crianças que mamam ... paciência, mente limitada é assim mesmo!


Beijos pra todas

Juu

16 de novembro de 2011

O tal dentinho!

Cêis lembram que eu falei aqui que o dentinho da Yasmin tava pra sair?
Então, não adiantou eu não querer e pedir pra ela prometer que não deixaria o tal dentinho nascer, ele resolveu dar o ar da graça e pronto!

Segundona de manhãzinha coloquei ela na cama pra brincar, e ela suuuuuper boazinha, pegou meu dedo e deu-me uma puta mordida (ela adoora morder dedos alheios e puxar o próprio cabelo ...).
A mordida doeu mais que o habitual, senti um "negocinho" cortante, êeepa, coisa cortante? Coisa cortante na boca é dente, simples assim.

Abri a boquinha dela e vi, lá estava ele, toooooooooodo feliz por ter apontado, um risquinho branco incriminando que sim, há um dente ali, o primeiro de muitos que virão.

Eu quero ver o tal dentinho toda hora, mas ela num deixa eu ver, que raivinha que eu fico, antes abria aboca toda hopra, agora trava ... é pra acabar o mundo mesmo!

Mas todo dia ele cresce um pouquinho, acho que até o Natal ela estará com o dentinho todo pra fora ...

Nota: Até o presente momento, nada de febre, caganeira, chatisse (+), vômitos, assaduras e coisas do gênero.

Pergunta: Se for acontecer alguma porcaria coisa desse tipo, em que fase do dente que é ?

É isso meninas, depois de oito meses e vinte dias, minha pequenininha tá crescendo mais, e oficialmente tem um projeto de dente!

E sem querer ser convencida, que ela tenha meus dentes, lindos, brancos, perfeitos e que não precise usar aparelho! #momentoconvencida

Beijos e boa quarta

11 de novembro de 2011

Todo mundo sabe criar minha filha melhor que eu.

Poucas coisas tem a capacidade de me tirar do sério, mas quer me ver realmente estressada é subestimar minha inteligência.

Digo isso porque ainda hoje, oito meses depois da Yasmin ter nascido eu ouço umas coisas que me deixam de boca aberta, mas o que me deixa de queixo cáido é como as pessoas pensam que mãe de primeira viagem é bichinho burro, bichinho lento e desinformado, só pode.
Algumas pessoas devem verdadeiramente acreditar que quando soubemos da notícia da gravidez, hibernamos pelo tempo restante, não lemos a respeito, não nos informamos, não levamos listas de perguntas ao g.o, e que o bebê caiu de para-quedas dentro do berço.

Que atire a primeira pedra aquela que quando o bebê estava chorando não ouviu "será que não é fome?", "será que essa criança não tá com côco?", "será que não é frio?" e que não ficou "p" da vida por causa disso!

Eu não sei vocês, mas eu ficava pela hora da morte com isso.
Caramba, se eu não estou dando de mamar pro bebê é pq ele não está com fome, se não troquei a fralda é pq não tem nada pra ser trocado, e se eu não coloquei mais cobertor em cima é pq não quero cozinhar a coitada da criança.

Quando o filho chora TODA mãe verifica o que é, e com o tempo vai pegando os macetes do filho e sabe se o choro atual é relacionado a sono, fome, e essa variedade de coisas, mas tem que vir o fulano ou a fulana que quer advinhar o que seu filho tem, sugerindo diversas coisas.

Por mais que a intenção seja boa, ajudar, eu acho isso um verdadeiro saco, as pessoas tendem a falar o óbvio, e com certeza o óbvio eu já tentei, a vontade é perguntar se fulano se sente mais capacitado que eu pra cuidar da MINHA filha.

E o mais legal é que a pessoa que tinha tudo pra ficar palpitando assim - minha mãe - não dá um palpitezinho do tipo, sempre agrega coisas boas, e olha que ela tem o direito de avó de me torrar o juízo heim ...

É isso aí né ... se não fossem palpites pela Yasmin seriam por outra coisa, pq gente palpiteira adora palpitar mesmo sem ser convidada, mesmo sem precisar ... portanto, paciência Julia, muita paciência com os palpiteiros que eu tenho certeza que no fundo pensam "coitada da Yasmin, tenho dó da menina ter uma mãe dessas!" hauahauha

#Desabafei

Beijos

Para minha avó!

Taí uma pessoa que eu gostaria muito que a Yasmin tivesse a oportunidade de ter conhecido, minha avó.

Ela era uma velhinha descendente de alemães baixinha, branquinha, de cabelos brancos e olhos dum verde que encantavam qualquer pessoa, mas como nem tudo são flores, ela tinha um gênio terrível - eu poderia ter usado a palavra forte, mas ela era terrível mesmo.

Gostava de crianças, brincava comigo e com a Laís sempre, não tinha pique pra ficar correndo de um lado pro outro, mas sempre dava um jeito de garantir a diversão.

Entupia a gente de biscoito, sagu (eca!), pizza de muzzarella, miojo e tudo mais que não presta, mas fazia questão de nos levar aos parquinhos apenas por nos ver felizes.

Foi uma mulher difícil, que poderia ter aproveitado melhor a vida, mas que escreveu sua história assim, então assim é que tinha que ser.

Me arrependo muito de não ter aproveitado mais de sua companhia, de ter aprendido a amâ-la tarde demais, e não ter ouvido tudo que ela tinha pra dizer - mesmo que fossem só suas lamúrias!

Se eu pudesse voltar no tempo, talvez não pudesse mudar a data de sua morte, mas teria aproveitado melhor os momentos em sua companhia, e tenho certeza que se ela estivesse viva, iria adorar a Yasmin, e a Yasmin iria adorar a velhinha.

Mas o tempo não volta, e o que fica é a saudade, hoje são sete anos, mas juro, juro que parece ter sido ontem que ela fechou os olhos pra sempre.

Ahhh Yasmin, vc iria adorar a velhinha, ela era rabugentinha como vc, tenho certeza que seriam boas amigas.

E a saudade insiste em apertar meu coração toda vez que lembro, me perdoe vó, mas prefiro não lembrar que vc se foi, assim a saudade e a culpa doem menos!

Com amour

10 de novembro de 2011

Yasmin e o jornal das sete

Porque é assim, a Yasmin não quer saber de segurar a mamadeira, não quer saber de engatinhar, mas quer saber de toooodas as notícias da região.

Aqui em SJC o jornal regional chama-se Tv Vanguarda, e é apresentado por dois bonitinhos, o Ademir Ribeiro e a Michelle Sampaio, e a Yasmin simplesmente A-DO-RA!

Eu que ingenuamente pensava que o delírio da vida dela era o Pocoyo caí do meu cavalo e tomei um tombão, ela dá uma surtadinha básica na hora do jornal e presta atenção como gente grande, é muito engraçado, pq na hora do jornal não se pode nem falar mais alto que ela olha feio, e ela tá certa né ... tadinha não consegue aumentar o volume da tv sozinha.

E sabem o que é mais interessante ?

Se ela está dormindo e ouve a musiquinha do início do jornal ela acorda pra assistir as reportagns, e isso não aconteceu uma ou duas vezes não, são todos os dias.

E se ela ouve a música do jornal e ninguém a coloca pra assistir ... ôoooooo céus, que droga que é, ela fica chata o restante todo da noite ...

Éeeeeee, ela pode ser preguiçosa mas quer estar por dentro das notícias da região ... e acho que ela gosta de jornal mesmo, pq se coloco um jornal na mão dela, ela trata de querer engolir as letrinhas, hauhauahau.

Beijos

31 de outubro de 2011

Minnie de araque










Pessoas, mesmo não comemorando a data aqui no Brasil, Happy Halloween pra todas vocês e para seus babys.
E como não deu tempo de preparar uma fantasia pra essa data, transformei a Yasmin numa Minnie de araque, mas que ficou uma fofura, ahhh, isso ficou sim.

Beijos e boa semana

29 de outubro de 2011

Sensação esquisita no coração!

Podem me chamar de louca, de tantam, do que quiserem, mas eu amo essa fase da Yasmin e por mim eu a guardaria num potinho, ela seria desse tamanho pra sempre, eternamente, forever, für immer, para siempre, jamais, per sempre, perpetuum, enfim, em todas as línguas que eu sei falar eternamente ela ficaria pequenininha, terrível e arteira como está (sim, ela está terrível e arteira).
As outras fases passaram que eu nem vi, mas essa, essa eu tô vendo gentche.
Na consulta mensal a tia doutora deu uma zoiada na gengiva dela e disse que vem dente por aí ainda esse mês.
Realmente, a gengiva dela está grossa e bem partidinha, e ela morde tudo com extrema força (e meu dedo bem na "junta" entre a unha e a carne, e dóooi!).

Mâ pêra aê, como assim, dente?

Gente, dente pra minha pessoa é um divisor de águas, quando vc não tem dente você é um bebê (ou uma pessoa velhinha que possivelmente não cuidou dos dentes quando djovem), e quando você tem dente já é uma criança, caminhando pra virar pré-adolescente, que vai virar adolescente, que em breve será adulto, e que se não cuidar dos dentes vai ser banguela de novo na velhice, mas brincadeiras a parte, esse dentinho que está por vir é sinal de que meu beê não será mais bebê, será uma criança.

Eu adoro o sorriso banguela dela, acho a coisa mais linda do universo aquela boquinha desdentada de tudo sorrindo com graciosidade pra mim e pra geral (pq ela é simpáaaaaaaaaaatica).
Aí no meio desse sorriso vai sair um dente, um ponto branco que significará que ela está crescendo mais rápido do que eu queria, um dente que um dia cairá e Pabloo e eu faremos ela colocar embaixo do travesseiro pra ganhar uns dez reais da tal Fada do Dente (sim, eu farei minha filha sonhar e acreditar nessas coisas que fazem diferença na nossa infância!).

Pausa.

É, uns dez reais, pq na minha época eram cinquenta centavos e não deu pra eu comprar nada com aquela moedinha, e pô, cinquenta centavos de recompensa da tal Fada por ter escovado direitinho meus dentes por anos, passado o fio dental, quase cuspindo fogo por usar Listerine, a Fada sacana levou um dente lindo sabe-se lá pra onde, pra fazer sabe-se lá o que com aquele dente de leite zuuuper branquinho e bem cuidado, enfim, eu deveria ter ganho mais que cinquenta centavinhos (alô mãe. num tô reclamando não heim!), e se a Mimi fizer tudo direitinho, acho que dez reais por dente é uma boa recompensa - ou eu tô miseravél?

Despausa

Daí o tal do dente virá pra evidenciar que minha Mimizoca tá virando criança, ahhhh, pode parecer que tô mais doida ainda, mas fiz a Yasmin jurar umas trezentas e doze vezes que ela não vai deixar esse dente crescer e que ela será pra sempre o meu bebêzinho.
Como se ela entendesse, deu a risadinha banguela deliciosa que eu quase infarto quando ganho, como quem diz "é mãe, fotografa bastante essa risadinha, guarda bem na memória, pq meus dentes estão vindo, e logo logo eu tô indo pra faculdade!".

Meninas com filhotes com dentes, é normal essa sensação mesmo?

Ahhh, não queria que nascessem os dentes, meu caso é grave pra internar? hauhauaha

Beijos e bom fim de semana

25 de outubro de 2011

A menininha dos supercílios!

Tem quem diga que a Mimi é bonitinha, tem quem diga que ela é linda (eu digo), tem quem diga que ela é risonha e esperta... enfim, tem quem diga de tudo sobre ela, cada um com uma impressão particular, porém, uma coisa é fato e unânime, todo mundo fala dos cílios imensos dela!

E pra quem nunca reparou nesse pequeno e longo detalhe da pequena, seguem abaixo as fotos que denunciam que ela não precisará de cílios postiços, pra realçar a beleza um rímel e um curvex básico (que segundo marido parece um instrumento de enucleação e tortura medieval)!

E com vocês Mimi!






Esse é o sorrisinho que ela faz quando apronta alguma e ganha bronca,
ou mesmo do nada ela nos presenteia com ele, não é pra morrer de orgulho?


Beijos

24 de outubro de 2011

Os 8 meses

Yasmin está tirando um cochilo e eu corri pra vir escrever sobre os oito meses dela.
Hoje ela completa exatos 240 dias.
240 dias que ela nos faz mais felizes, nos faz sorrir mais.

Geralmente quando vejo RN na rua fico doida, me bate uma saudade de quando ela era um bebezinho tão minúscolo, que dependia unica-exclusivamente de mim, se outrora ela era dependente e sem opinião, hoje a baixinha já demostra que tem personalidade forte.
Mas não troco essa fase dela por nada, não sei como serão as outras, mas de longe essa é uma das fases mais deliciosas que eu tive com ela, interação total da parte dela, e embora ter um RN seja maravilhoso, ter uma bebê espertinha que brinca e responde aos estímulos não tem comparação, até pq ela é só sorrisos, e eu me entupo mais de amor a cada sorriso dela - sem mentira!

- Adora pérolas e fica doida se vê alguém com um colar de bolinhas, quer pegar, enfiar na boca, morder e enrolar no pescoço.
- Adora óculos de sol, é só colocar um óculos de sol na pequena que ela fica toda a sorrisos, muitas vezes só de ver o óculos ela já dá uma surtadinha básica!
- O banho continua sendo um dos momentos favoritos, já conhece o banheiro e quando caminho com ela peladinha pela casa até o banheiro ela grita pq sabe que a hora do banho chegou.
- Não chora mais pra colocar camiseta ou body, as coisas podem passar tranquilamente por sua cabeça que ela não reclama.
- Puxa os cabelos de quem for, não importa se é de visita ou do pessoal mais chegado, ela puxa sem dó - e isso já tá me fazendo perder a paciência, pq ela já ouviu muitos "não pode" de modo enfaticamente enérgico.
- Dorme de atravessado no berço. Não adianta colocar na posição correta que ela atravessa o berço - incrível.
- Até gosta dos brinquedos que tem, mazzzzzzzzz, não abre mão de um celular de última geração, controle remoto de tv, telefone normal, computador do pai, laptop da mãe e qualquer coisa que tenha luz.
- Ama assistir jornal, prefere jornal ao desenho animado que for.
- Come de tudo, da papinha dela aos pratos de adultos amassadinhos.
- Cresce os olhos pra rua quando a porta do corredor está aberta.
- É louca pela Marie, quer fazer amizade a todo custo, mas Marie não está pronta pra uma amiga tão pequena por enquanto.
- Grita brava com as coisas que caem das mãos dela, e é uma graça de ver tanta fúria.
- É quase uma odisséia pentear os cabelos dela, ela quer ver todo movimento do pente na cabeça, e aí, já viu neh.
- Fica em pé no berço, se apoia na grade e sobe, e fica lá, em pé, observando tudo.
- Nada e nem sinal de nenhum dente ainda, nem a pontinha, nem nada de nada.

Enfim, ela está cada dia mais esperta, cada dia mais gostosa e cada transformando meus dias em aventuras super especiais.

Beijos e desculpem a ausência

Juu

18 de outubro de 2011

Sugestões

Se existe uma coisa que eu adoro fazer é escrever, sempre gostei, desde menininha sempre escrevia, fosse em cadernos de versos e poesias, fosse escrever no diário, enfim, eu adoro escrever e até já pensei em escrever um livro.
O mesmo acontece com o blog, eu adoro esse cantinho, adoro escrever aqui, adoro registrar a vida da Yasmin em algum lugar que é acessível a todos e ajudar as pessoas que me pedem ajuda independente no que for, eu gosto de ajudar e me sentir útil, e se minhas experiências como uma mãe louca de primeira viagem puderem ajudar alguém, eu fico feliz sim!
Porém, mesmo adorando escrever, sinto que ano bloqueada.
Tenho milhões de idéias pra posts, porém, quando arrumo um tempinho pra navegar, escrever ou qualquer coisa relacionada, eu travo, as idéias somem uma a uma, e eu fico sem tema, e confesso que copiar e colar textos aqui, só pra ocupar espaço e encher lingüiça não é a minha cara.
Pode parecer prepotência, mas eu gosto de autenticidade, e esse negócio de copiar e colar, só se valer MUITO pena, caso contrário e prefiro deixar vazio mesmo.
Não tenho pretensão de fechar o blog, adoro isso aqui, mas gostaria que vocês me dessem sugestões de posts.
Gente, a verdade é que to precisando dum empurrãzonho pra escrever, e se vcs puderem me dar dicas, eu fico feliz!

Beijos pra vocês e obrigada pela atenção

Juu

10 de outubro de 2011

Primeiro evento social

E ontem, Mimi participou de seu primeiro evento social como convidada e nós como meros acompanhantes dela.
O convite para o aniversário veio em nome da Yasmin, foi o primeiro aninho da filha de um amigo do marido, e nós fomos.
Fomos pq ela adora ver crianças e fica eufórica querendo brincar.
Fomos pq o pai da menininha é amigo do marido e seria chato não ir.
Fomos pq eu adoro festinha de criança e siacabei mais que os dois, hauhaua.
Yasmin foi na piscina de bolinhas, num carrinho que anda sozinho, no balanço, na xícara ... se acabou também e valeu super a pena.

Festinha de criança é a coisa mais gostosa do mundo, tem uma energia mega positiva, tem criança feliz por todos os lados, tem música da Xuxa #adoro, tem sorriso na maioria dos rostos, tem bolo, tem docinhos e gelatina, enfim, adoro festinha infantil e essa foi tudo de bom.
Achei uma delícia comparecer como mãe de uma das crianças e presenciar esse momento tão especial na vida de uma criança.

A propósito, quase morri do coração quando vi que a aniversariante vestida de joaninha pra hora do parabéns, as bolinhas das asas eram corações, me deu uma vontade doida de apertar ela e morder até os dentes cansarem, hahahaha.

5 de outubro de 2011

Yasmin subiu na vida!

Ééééééé, ela subiu sim, subiu do bebê conforto pra cadeirinha, já que ela entupia o bebê conforto com todo seu excesso de gostosura e ficava toda apertada.
Agora vai de cadeirinha, vendo tudo que seus olhos possam alcançar pela janela, e sentada como uma mocinha.
Dá até orgulho de ver como fica quietinha e como presta atenção nas coisas que passam tão rápido por seus olhinhos.

Pensei que essa troca nunca fosse chegar, mas chegou, e cada dia mais eu vejo que ela cresce rápido e que eu tenho mesmo é que aproveitar o quanto puder ao lado dela, já que, logo logo ela estará tirando carta de motorista e indo pra faculdade, #momentodrama.

E pensar que daqui um tempo ela estará fora da cadeirinha e um pouquinho mais de tempo, sentada comigo no banco da frente ... ô céus, como passa rápido, eu só não pensei que fosse TÃO rápido assim.

Beijinhos meninas

4 de outubro de 2011

Psicológico às avessas

Quando a Yasmin chegou em casa eu morria de medo de quebrar ela, tão sensível, tão delicada, tão perfeita ... trocar fralda, pegar no colo, dar de mamar era super tranqüilo, mas o banho me causava pânico, tanto é que na primeira semana os banhos dela foram dados pela minha mãe e pelo Pablo, eu corria do banho.
Mas uma coisa interessante acontecia, era me ver em uma situação nova com ela que me dava um buta vontade de fazer xixi.
Se ela chorava e eu não sabia o que fazer – dava vontade de fazer xixi.
Se eu estava com ela e ela chorava – dava vontade de fazer xixi.
Hora do banho dela se aproximando – novamente vontade de fazer xixi.
Juro que não sei como não me esvaí pelo vaso sanitário, ficava mais tempo fazendo xixi que cuidando dela.
Ela cresceu, eu aprendi a lidar com o que ela queria e parei de ir ao banheiro a cada três minutos, porém uma coisa anda me tirando o juízo.
Ela anda birrenta, e é começar a chorar de birra e a vontade desenfreada de fazer xixi vem, uma loucura isso!
Acredito que ao aprender a lidar com as birras dela essa vontade passa, mas acho que meu psicológico tá as avessas fazendo isso comigo.
Se é choro de fome ou fralda suja eu não tednho vontade de fazer xixi, masssss se ela começa a se bater, bater as pernas e levantar a barriga, ô céus, é como se eu estivesse com dor de barriga, mas a vontade é de fazer o número um e não o número dois.

Alguém já passou por isso?
Tô querendo uma luz, pq isso tá mais forte que eu, hehe!

Agora deixa eu ir no banheiro, pq além das birras dela eu tenho bebido água como um camelo!

Beijos e boa semaninha

30 de setembro de 2011

Motorizada!

Isso podia até ser nome de filme de motoqueiro, mas não, essa é a situação atual da senhorita Mimi, ela está motorizada!

Está motorizada e vai sem perceber de um lado para o outro.

E eu?

Eu tô feliz da vida pq ela brinca mais tempo, está com mais autonomia pra ir aonde quer - mesmo sem perceber - e de verdade, meus braços estão aliviados.

O andador foi presente da minha mãe, e nunquinha da Silva que eu ia deixar um brinquedo tão legal assim - que tem musiquinha, telefone e um negócinho que gira - guardado dentro da caixa, deixo brincar mesmo, e sinceramente, como diz o ditado, a diferença entre o remédio e o veneno é a dose.
Pode fazer mau sim, isso se eu a deixar o dia todo no andador, mas brincar um pouco por dia enquanto eu lavo a louça ou estendo a roupa no varal, ah, não vai fazer mau não (ou eu quero pensar assim e pensar assim me faz feliz!).


Agora me digam, ela não parece feliz no andador?

Beijos e bom fim de semana pra todas vocês!

29 de setembro de 2011

Invejinha

Tá, a palavra certa a ser usada não é essa, mas ela se enquadra.
A questão é que eu morro de invejinha de quem consegue atualizar o blog todos os dias, fica no Facebook o dia todo, e de quebra tem a casa arrumada, está com as unhas feitas, roupas passadas, banheiro lavado, comida feita, baby limpinho e feliz brincando, e quando o marido volta do trabalho ela está perfeitamente arrumada, de banho tomado, com o jantar posto à mesa, quem lava a louça depois é a lava louças.
Tem mulher que a vida parece até uma foto de revista ... e eu não sou esse tipo de mulher.
Gente, quanto mais a Yasmin cresce menos juízo eu tenho.
Meu dia precisaria ter 48 horas pra eu dar conta de tudo, não to dando conta nem de mim, e pro meu dia ser como o descrito acima eu preciso acordar as cinco da madrugada!

Yasmin cresce linda e saudável, e ocupa qualquer lacuna que meu tempo tem, portanto, a vida fica uma loucura mesmo.

Amanhã eu volto!

Beijos pra todas

21 de setembro de 2011

Minha novidade!

Eu sempre penso num meio mirabolante de ganhar dinheiro em casa, na verdade eu queria mesmo era ganhar dinheiro dormindo, mas infelizmente não dá, então o jeito foi botar a mufa pra pensar em alguma coisa que eu pudesse fazer em casa e que exija como investimento somente meu tempo livre.
Pensei em algo que eu pudesse usar a internet como meio de divulgação e que eu soubesse fazer bem feitinho, e quando eu já estava sem esperanças a idéia surgiu – fazer templates!

É algo que eu gosto, algo que exige só o meu tempo disponível, e algo que acho uma delícia de fazer.
Já que muitas pessoas perguntavam se eu faço templates pra vender porque não investir nisso, neh?

E assim surgiu o Frufruzando, um blog que eu criei para expor os templates que já fiz e pegar novas encomendas.

Lá tem tudo detalhadinho, todos os tipos de dúvidas que podem surgir, enfim, acho que vale a pena dar uma passadinha lá e conferir.

E se vocês quiserem encomendar seus templates comigo ... ficarei toda felizinha!

Beijos

19 de setembro de 2011

Enfim, dona Mimi de biquíni!

Sim, eu fiz que fiz, e na primeira oportunidade de sol, levei a Yasmin pro clube, besuntei de protetor solar fator 50 e coloquei ela na água.
Não, a reação dela não foi nada do que eu esperei, mas a culpa foi nossa – minha e do marido que também estava doido pra ver ela na água.
Na verdade mesmo, estava sol, um sol fritante, mas ventava, e acho que isso deixava ela com frio.
Sei que colocamos ela na água – que eu achei fria – e ela fez cara de quem não gostou, mas ficou desde que não a afundássemos além da cintura, pq se a água fosse além do que ela achava seguro – mesmo no nosso colo - aí o chororô era certo .
Tirava, colocava, tirava e colocava na água e ela ria, mas nada além da cintura não.
Tentamos o bote, ela gostou, mas não fez festa pro bote como faz com ele em casa.
Não quis apertar buzininha nem nada, grudou as mãozinhas nele, sorria quando eu a chamava pra foto, mas não estava tão à vontade.
Notei que ela estava com frio, tirei da piscina, enxuguei, coloquei a saída de praia e ficamos as duas na beira da piscina vendo o papai nadar, e aí sim ela se acabou na risada.
A.DO.ROU ver o pai nadando, e quando ele chegava perto ela se acabava na risada, se ele jogava água nos pézinhos dela então ... a festa era garantida.
Depois de ver o pai nadando, ela se sentiu mais segura para entrar na água no colo dele, mas assim como antes, nada além da cinturinha.
Ficou na água com o papai, mas aí, eu mãe louca, neurótica, e morta de medo dela se queimar mesmo com protetor fator 50, notei que a pele dela estava avermelhando, e decidi tirar ela da água.
Ficamos na sombra um tempinho, depois mudamos de piscina, onde ela pôde ficar sentadinha na beira, com as ondas molhando suas perninhas (piscina de ondas), nada que ultrapassasse a margem de quatro dedos.
Quando ela começou a se empolgar, se soltar, bater na água, enfim, quando a coisa enfim tava ficando boa, pq ali a água era quentinha, o sol foi-se embora e começou a ventar de verdade, e nós levantamos acampamento e voltamos pra casa.
Ao tirâ-la da piscina e enrolar na toalha ela simplesmente desmaiou de cansaço.
Colocamos na cadeirinha, viemos embora e ela dormia, masssssssssss, foi chegar em casa, colocar ela em cima da minha cama que os zóiões de jaboticaba se abriram e ela acordou.

Marido e eu?
Nós ficamos moídos, enquanto ela queria brincar e brincar e brincar.




Foi uma delícia de passeio, e essa semana se fizer calor, mas bastante calor, levaremos ela de novo, afinal de contas, ela tem que se acostumar, pq ela será minha companheira de clube.

E é isso pessoas, agora me digam, ela não ficou a coisa mais deliciosa desse mundo com o biquíni?

Juro, juro mesmo que morro de vontade de morder até ela chorar!

Beijos e boa semana

16 de setembro de 2011

O raio da chupeta...

Juro, juro que eu queria entender o que se passa com a chupeta da Yasmin no meio da madrugada.
A pequena dorme quietinha, de repente, no meio da noite, quando tudo está silencioso e podemos ouvir até o barulhinho dos grilos cantando (hei, grilo canta?), todo esse silêncio é rompido pelo grito desesperado da Yasmin.
Simples como preparar chucrutes, o raio da chupeta criou rodinhas e saiu da boca dela a 180km/h, e ela, acorda aos berros sentindo falta da amiga!

Eu, levanto como se fosse uma múmia caquéquita, procuro a chupeta e coloco na boca da pequena o mais rápido possível.
O silêncio volta a reinar na casa, e quando eu me deito, estou naquela fase gostosa do sono, as rodinhas da chupeta voltam a funcionar, e a múmia caquéquita se levanta novamente, e a saga da chupeta recomeça.

Seria engraçado se fosse uma ou duas vezes por semana, ou até mesmo uma vez por noite, mas nas últimas semanas isso tem acontecido no mínimo oito vezes por noite.

Mas uma hora isso melhora, há de melhorar sim, é só viver uma noite de cada vez que a coisa anda.

Bom fim de semana pra vocês, e no próximo post eu volto com novidades.

Beijos

15 de setembro de 2011

Voltamos!

E o programado e decidio era ir pra praia, e nós queriamos muito ir,mas quem nunca colabora com a gente é o tempo, justo pro dia programado pra gente ir ... choveu como se não houvesse amanhã, e a solução foi ficar em casa.
É incrível, é cismar de ir pra praia ou pro clube que o tempo fecha, parece que alguma coisa do além coloca uma nuvem cinza de chuva sobre nós, e aí o negócio é lamentar, pq praia com chuva e criança não combina.

Nessas férias do marido, havíamos programado ir pra praia e depois visitar os pais dele, assim ele matava a saudade e os pais e tooooda família conheceriam a Mimi, essa parte deu certo – ufa!

A parte complicada é arrumar as malas pra um bebê, a bagagem dela era maior que a nossa, que sufoco!
São roupas, sapatos, carrinho, brinquedos, travesseiro... e eu poderia ficar horas aqui dizendo tudo que levamos pra ela, mas é só imaginarem o que uma mãe precavida levaria, que vocês podem ter noção da montanha de coisas.
Malas dela e nossas prontas, e lá vamos nós.
Prende a menina na cadeirinha, dá um brinquedinho pra ela se distrair durante a viagem, cobre com uma mantinha, e antes de chegar ao fim da rua de casa mesmo ela já dormia.

Minha filha é uma lady, e se comportou extremamente bem na ida, acordou quando já estavamos na Serra das Araras, mamou e dormiu de novo, só acordou quando chegamos em Petrópolis.

A princípio estranhou os avós paternos e os tios, mas depois se deu bem, e pra nossa surpresa (minha e do marido) dormiu melhor lá, toda expremida no carrinho, do que aqui em casa no berço grande e espaçoso – crianças, vai entender.

A semana transcorreu normal, exceto que o Pablo teve que resolver umas duzentas coisas, e meus planos de leva-la em todos os pontos turísticos da cidade pra tirar foto e passear, ficou só pro sábado (saímos daqui na segunda), e foi sair de casa pro tempo fechar, conclusão, tíramos fotos só na Catedral de São Pedro de Alcântara, porque esfriou tanto, que era impossível ficar com ela no tempo, e como domingo eu começaria a arrumar as malas pra voltar pra casa, não tíraríamos mais fotos nenhuma.

Yasmin é uma fofa mesmo, dentro da Catedral ela olhava os vitrais encantada, e soltava gritinhos, logo reconheceu seus gritinbhos no eco, e aí, aí que tapassem os ouvidos quem se sentisse incomodado, porque a baixinha gritava pra ouvir o eco e dava risada em alto e bom som (que também ecoava).

De toda viagem, o problema foi a volta!
Digo que foi um problema porque pegamos engarrafamento e ficamos parados uma hora em plenas onze da manhã, eu enjoei horrores pq não tomei Dramin, e faltando em torno de duas horas pra chegar em casa, Yasmin vomitou.
Não foi um vômito qualquer, foi um super vômito mesmo, lavou manta, cadeirinha, roupa, lavou o Pablo a hora que tirou ela do meio do chiqueiro que ficou a cadeirinha...
E o pior de tudo foi ter que parar em um posto pra trocar ela apoida no porta malas do carro, mas o pior não para por aí, ela adorava estar em cima do porta malas.
Depois disso, chegamos em casa e eu aprendi que passear é bom, mas nada melhor que voltar pra casa, pra minha cama, pro meu banheiro...

E dona Yasmin como está?
Está ótima, voltou a ser ela mesma, dando trabalho pra dormir, batendo na comida, e me encantando com sorrisinhos sapecas quando dou bronca nela.
Ou seja, está tudo normal, está tudo como sempre foi, a viagem não a afetou, e ela voltou mais peralta que nunca.

Mas de verdade, o bom é que essas viagens longas assim são apenas uma vez por ano, pq tem mala por desfazer ainda, e dá trabalho demais.
O plano agora é ir pro clube, contanto que o tempo melhore.

Aguardem que vocês verão dona Mimi de bíquini (nem que eu tenha que coloca-la pra nadar na banheira, mas ela há de usar o bíquini sim!)

Beijos

4 de setembro de 2011

Enquanto isso, na loja de sapatos...

Yasmin estava querendo uma sandália nova, e lá fomos nós buscar, né?

Escolhemos a sandalinha e enquanto a moça ia buscar um modelo pra que ela experimentasse, ficou sentadinha apoiada no pai olhando tudo.

De repente vem em sua direção um garotinho lindo, gatíssimo, de mais ou menos dois anos.

Ele estende a mãozinha e faz um carinho nela, com extrema delicadeza.

E quando levanta mãozinha para fazer o carinho uma segunda vez, ocorre o inesperado.

Poooooooooooooooooooff, Yasmin vira um tapa no menino que me fez perder o rumo.

O garotinho – lógico – saiu de perto, Pablo achou graça, mas eu dei um conselho:

- Filha, se você bater em todos os meninos que chegarem perto de você, você nunca vai ter um namorado.

E o Pablo do outro lado remenda:

- Isso mesmo filha, continue assim pelos próximos 50 anos!



Beijos



P.S - A coisa aqui tá corrida pq tô arrumando as maldas pra viajar, só responderei os comentários do outro post e desse durante a semana, não é má vontade, mas a coisa aqui tá beirando o impossível, hehehehe.

2 de setembro de 2011

Devota de Santa Paciência.

Taí uma Santa que se existisse era capaz de me fazer virar religiosa, sem trocadilhos e ofensas galera, eu iria ser religiosa e devota mesmo, pq aprendi que toooooooooda a paciência e calma que sempre tive não são o bastante pra quem quer educar bem um filho.



Pq eu tô falando isso?



Pq é bem simples, eu vejo em alguns blogs aleatórios mães que falam que os filhos são anjos de candura, sem birra, dormem no horário certo todo dia, gostam do que é saudavél e odeiam chocolate – quando comeram o chocolate pela primeira vez não gostaram - não batem na papinha e a papinha voa e mela a cozinha toda como se tivesse sido colocada no ventilador, fazem conta de divisão com quatro números na chave aos seis meses, essas crianças nem choram, aliás, pra mim essas crianças não devem fazer xixi nem cocô, pq de tão perfeitas e de tão geniais que são transformam seus próprios excrementos em luz, só pode!



E as mães?



As mães são pu-ra paciência, uma coisa invejavél, de dar inveja até no próprio Dalai Lama, pq birra né, é coisa que não fazem, e quando fazem tem que ter paciência mesmo.



E vendo essas mães relatando que tem crianças evoluídas em casa eu fico boba, mas boba mesmo, me perguntando se a criança que eu tenho em casa é normal, pq haja paciência.



Yasmin faz birra, se joga, puxa o cabelo de raiva (oi?), não quer dormir nunca mais, bate a mão na papinha, puxa meu óculos, está com a mania de bater em mim quando contrariada (e eu tô numa luta com isso pq tenho que chamar atenção e ela acha que é brincadeira), é imediatista, quer colo o tempo TO.DO, não me deixa nem ir ao banheiro, odeia colocar qualquer coisa que tenha que passar pela cabeça, enfim, minha paciência tem que ser algo além do infinito.



Confesso que sim, já perdi as estribeiras e falei mais alto com ela num ato de desespero, que por birra já deixei ela no berço e fui pro banheiro, lavei o rosto com água bem gelada no frio e sentei no vaso contando até dois zilhões pra que a santa que mora em mim voltasse.



Aí eu voltei, peguei ela no colo e chorei uns trinta litros por ter sido brava com ela, afinal, é só um bebê.

E são nessas horas que eu morro de vontade de me enforcar num pé de couve alto, pq me sinto má, me sinto péssima, me sinto uma droga de mãe, pq tenho que ter paciência com ela e as vezes a paciência falta sim.



E sabe o que é pior?

Com o pai dela ela é uma diva, não chora, não briga, não bate, e se faz alguma coisa errada ele simplesmente diz “ai ai ai dona Yasmin, que feio isso!”, ela sorri e volta a ser a boa menina de antes.



Vocês devem pensar eu eu estou exagerando, que ela só tem seis meses e que isso deve ser loucura da minha cabeça, mas não é, e é aí que eu penso que devo estar criando um serzinho do outro mundo, pq não vejo as mães falarem de paciência com os filhos, será que só eu sou assim?



Eu sempre fui extremamente calma, ponderada, paciente até depois da morte, e não sei como consigo ficar brava com ela, aí fico e me sinto mal, principalmente quando vejo ela dormindo, é tortura repreender ela e depois vê-la dormir, penso com meus botões “poxa vida, eu deveria ter contado até três milhões, olha só isso, olha só como ela é linda e é só um bebê!”



Me sinto péssima, falo pro marido e marido diz que eu sou boa mãe, que é de perder a paciência mesmo, mas aí vejo que os filhos das outras pessoas são crianças de uma raça evoluída e me pergunto se um dia a Yasmin vai ser assim, evoluída. #sofro.



Massssssss analisando fundo mesmo cheguei a minha conclusão, ou muita mulher esconde o jogo (usar a palavra mentira é feio né?) e faz as mães normais como eu se sentirem a mosca do cocô do cavalo do bandido, ou elas tem filhos super mesmo, super evoluídos, super inteligentes, super educados e por aí vai.



E analisando mais fundo ainda, agradeço por ter a Yasmin em casa, e tê-la do jeitinho que ela é, afinal, sem ela bagunçando, pirraçando e me levando a loucura a casa fica com ar de casa que não tem criança, chato seria se ela fosse perfeita e já tivesse na faculdade aos seis meses.



Tá certo, eu confesso que as vezes eu queria que ela fosse menos birrentinha e marrentinha e fizesse tudo do meu jeito, mas como disse a Carol certa vez, o que eu tenho que fazer é me despedir da filha que eu queria ter tido e aceitar a que eu tive, bravinha, imediatista e linda.



Pq eu reclamei o post todo, mas a Yasmin é a luz do meu dia, o sorriso dela me faz mais forte, brincar com ela é uma delícia, e até chorando ela é uma diva, maravilhosa, e não, eu não mudaria nada nela, mudaria em mim pedindo sempre uma dose extra de paciência, pq quem tem que ser paciente sou eu, ela tem que ter limites, mas acima de tudo tem que ser criança né.



E fica a pergunta, só eu que tenho esse problema coma paciência ou vocês também te, aliás, só minha filha que é assim ou os filhotes de vcs são evoluídos e a Mimizoca ficou pra trás nessa evolução?



Beijos

29 de agosto de 2011

Quase morro!



A foto acima representa:



a) Uma pipoca branquinha sorridente brincando ao acordar.

b) O sorriso mais encantador da minha vida.

c) O motivo do meu quase infarto do miocárdio de tanto orgulho.

d) Todas as alternativas anteriores.



Ah pessoas lindas do meu coração, não é pra me derreter e quase morrer de orgulho em ganhar um sorrisão desses?



Beijos

Os dentinhos

Tudo bem que eu não era muito crente quando diziam que os dentinhos incomodavam quando estavam prestes a nascer, tá, eu confesso, na minha cabeça incomodava só um poquinho, mas nem de longe era o que eu esperava.



Os dentes estão dado o ar da graça, não apontaram ainda, mas incomodam, ela morde tudo com força, está extremamente irritada, a gengiva está bem esbranquiçada e grossa, enfim, todos os sinais clássicos de dentinho que tá pra vir por aí, mas o danadinho não vem.



Estou dando Camomilina-C, e até eu tô querendo tomar pra ver se me acalmo, pq essa situação tá me deixando de cabelo em pé.

Dou a Camomilina e passo Nenê Dent, mas acho o Nenê Dent forte demais, e evito, então é só na Camomilina e na paciência.



Dá dó ver ela incomodada, irritadísssima, colocando tudo na boca pra ver se alivia.

Ela só quer colo, não quer comer direito, está dormindo mau, enfim, como diria a menina da novela “é a treva!”.



Agora deixa eu ir lá, pq preciso urgente terminar tudo que está por fazer e que eu não tenho feito por dar colo à ela, afinal de contas, não botei filho nunca pra negar colo.



Beijos e boa semaninha

28 de agosto de 2011

Em tempo, o sexto mês!



Post atrasadinho, era pra ter sido dia 24, mas tá tão corrido que só tenho tempo pra publicar agora, tá valendo num tá?

Como passou rápido esse primeiro semestre com ela, o tempo voou, e as vezes procuro traços daquela bebê que eu trouxe pra casa enrolada numa mantinha lilás, em uma tarde de sábado ensolarado de fevereiro.

Ela se desenvolve rápido, e eu procuro passar todo tempo com ela, numa ânsia sem limites de ensinar pra ela o que acho certo, pra que eu não a perca e não perca nada importante de sua vidinha, pra que ela não me perca, e pra que quem sabe num futuro tão próximo, sermos muito amigas e eu continuar presente em sua vida, não por ser sua mãe, mas por ser alguém de quem ela aprecia a companhia.



Do que ela gosta:



- Colo.

- Papinha salgada.

- Água.

- Danoninho.

- Leite.

- Passear de carro.

- Passear de carrinho.

- Morder as coisas e os dedos das pessoas.

- Enfiar o dedinho indicador na boca e ficar mordendo.

- Tomar banho.

- Bater no teclado do computador como se não houvesse amanhã.

- Ver televisão.

- Ficar com a barriga virada pra cima no banho, com a água caindo sobre ela.



Do que ela não gosta:



- Ser contrariada.

- Esperar.

- Fruta – manga, morango, laranja, goiaba.

- Papinha que tenha lentilha.

- Sair do banho.

- Colocar body, camiseta, ou qualquer coisa que passe pela cabeça.

- Suco de laranja.

- Barulhos altos.

- Caretas.



O que ela faz:



- Cruza os bracinhos pra brincar com a gente.

- Bolinhas de saliva.

- Quase fica sentada sozinha.

- Estende as mãozinhas pra alcançar o que deseja.

- Faz barulho pra chamar atenção.

- Sorri quando mandamos beijos.

- Sorri para nós quando a olhamos.

- Segura as bordas da banheira quando está sentadinha nos raros banhos de banheira.

- Puxa os cabelos quando contrariada.

- Segura a mamadeira, mas não consegue sustentâ-la por muito tempo.

- Cospe a papinha longe se ela não quer e eu insisto.

- Abre a boca quando vê o potinho de Danoninho e fica fazendo “annnn annn annn” e chora quando acaba.

- Dá gargalhadas quando a chamo de Xumiguinha e beijo a barriga dela.

- Só dorme quando quer.

- Grita paraa televisão.

- Estende os braços pra que eu a pegue.



E mais uma infinidade de coisas que eu não lembro, pq é incrível, é eu sentar para escrever e alguma coisa do além me faz esquecer tudo que tenho pra dizer.



Mas em resumo?

Ela tá linda, fofa, gostosa, esperta, e a cada dia que passa eu me pergunto como pude viver tanto tempo sem esse amor.



P.S.: Para o anônimo que perguntou anteriormente, a Água Termal que eu uso é da Àvene, já usei da La Roche Posay,não me adaptei, porém, isso é uma questão pessoal né, mas se for recomendar alguma, é a Àvene.



Beijos

20 de agosto de 2011

Vamos a la playa?

Então, mês que vem é mês de férias para nós, e eu, como mãe de primeira viagem estou muito eufórica com as primeiras férias com a Yasmin, viajar com ela, e sair um pouco da nossa rotina maluca.



Pensamos em vários lugares diferentes pra ir, eu adoro passear então o que vier é lucro seja praia ou montanha, o negócio é sair da mesmice, mas agora temos uma bebezinha que depende demais da gente, e isso limita um pouco nossas opções.



A princípio queríamos ir pra algum lugar quente e mais distante que o litoral paulista ou carioca, mas não ficamos seguros em viajar de avião com uma bebê tão pequena, resumo da ópera é que ficaremos pelo litoral paulista e carioca mesmo, mesclando alguns dias em Ilhabela, Ubatuba, Parati e alguns dias na cidade do Cristo Redentor mesmo.



Resolvido o problema de “para onde vamos” iniciamos o problema “onde ficaremos”.

Que alguns hotéis, pousadas, resorts e spas não aceitam animais muita gente sabe, mas eu não sabia que alguns estabelecimentos também tinham restrição à crianças pequetitas, mas esse problema também resolvemos.



E aí o que nos resta?

Óbvio que é ir as compras!

E eu fui.



Como minha prioridade é a Yasmin já começei a comprar o que acho necessário pra ela, e isso inclui biquini, quero dois (pra revezar o uso entre um e outro), mas até agora só achei um que me agrade, ma.ra.vi.lho.so e moderno!

Lógico que eu quero pra ela um chapéu e óculos que combinem com os biquinis, mas isso está em andamento e antes de irmos tudo está prontinho.

Comprei também um bote lindo pra ela brincar com segurança (ahhh, eu acho bóia de braço cafoninha #prontofalei!).

Comprarei também uma piscininha de cogumelo (fofa) que eu colocarei água doce, pra deixar na areia, pq não dá pra deixar ela na água salgada o tempo todo.



Aí vêm as toalhas, e infinitas coisinhas desnecessárias e futéis que eu adoro pq compõe toda a peruagem.



Porém, como nem tudo é peruagem tenho alguns problemas titânicos assolando minha mente!



O primeiro problema é a alimentação da Yasmin.



Pessoas, pelamor, como que alimenta um bebê na praia?

Me nego a dar papinha Nestle, podem dizer que não tem conservantes e nada disso, mas eu sempre me neguei a dar pq sou cozinheira de mão cheia e não via necessidade dela comer comida industrializada, dei a doce, e pra não mentir, semana passada que ela estava ruinzinha de comer fui e comprei uma Nestle, ráaa, só faltou ela cuspir em mim a primeira e última colherada, odiou, fez cara feia, fez ânsia, enfim, foi O desastre, ou seja, papinha Nestle não!

A propósito, se ela não quer mais ela tranca a boca duma maneira que parece ter sido grudada com superbonder.

O que eu pensei?

Em dar comida de restaurante bem amassadinha mesmo, a fruta e o suco eu dou do meu que virá no quarto.



Então, alguém tem uma dica pra isso?

Juro que eu tô aceitando as propostas mais doidas de como alimentâ-la, desde levar as papinhas prontas (ela O.DE.IA papinha pronta e requentada) e esquentar sabe-se lá onde, até nem sei o que!



O segundo e não menos importante que o problema número um, proteção solar.



Que eu sou uma branquela desbotada e que queimo mesmo usando protetor 50, não é novidade.

O problema é que a Yasmin é extremamente clara, tanto é que é impossível perdê-la no escuro pq ela floresce hahahahaha, pra não dizer que ela não tem cor, as bochechas que dão um rosado saudavél na pele dela, de resto é clarinha mesmo.



Segundo a pediatra (que está prestes a ser demitida), protetor solar só a partir dos seis meses e olhe lá, sair no sol só se ele estiver baixo (ou seja, até as 10:00 e depois das 16:00).

A questão é que a pediatra é um tanto relutante pra certas coisas, e falou do protetor solar torcendo o nariz, pra garantir a integridade da pele dela irei levar umas quatro embalagens de Água Termal, que eu não vivo sem, mas não sei qual protetor usar.

Gostaria que as mães que já levaram seu pequenos à praia me dissessem como fizeram, qual protetor usaram, se mandaram manipular especial, qual o fator, enfim, que ajudassem a pessoa que vos escreve a não fritar a filha!



Vou levâ-la a pediatra pra saber qual protetor ela indica, mas quero opiniões diversas pra que eu possa analisar também.



Vocês me ajudam?



Beijos e bom final de semana

16 de agosto de 2011

Grávida, de novo?

É, a dúvida dos últimos dois meses era essa.

Pra quem não sabe, eu não amamentei, e por não amamentar comecei a tomar injeção anticoncepcional (mesigyna pra ser mais exata), assim não tinha o problema de esquecer de tomar comprimido e engravidar de novo.



Pausa.



Eu já disse pelo menos umas três milhões de vezes que eu não quero um segundo filho.



Despausa.



Porém, como apresento um quadro de alopécia (vulga calvíce), uma das medidas pra retardar isso e meu cabelo voltar a crescer com vigor é tomar um anticoncepcional antiandrógeno (as outras medidas são alimentação saudavél e perda de peso, pq a gordura excessiva do corpo ajuda em alguns casos), e conversando sobre isso com a minha médica, ela disse que se eu queria esse tipo de finalidade, teríamos que mudar da injeção para o comprimido (Diane 35).

Tudo bem, anticoncepcional comprado, era só esperar a danada descer pra iniciar os compimidos, simples neh?

Tomei a última injeção em 15 de junho, ou seja, como ela vale por 1 mês a lógica da coisa era que a danadinha viesse dia 15 de julho ou próxima a isso.



Dia 15, 16, 17, 18, 19 nadinha de nada, nem sinal.

Nada de seios doloridos, nada da famosa tpm que a maioria da mulherada tem - e eu espero todo mês pra ver se terei isso - e nada, nada de irritação, fome excessiva, nada disso.

Dia 25 faziam dez dias que era pra ter vindo e nada.



Aí vem a pergunta “Mas Julia, vc arriscou?", arrisquei ué, pra estar com medo assim tinha arriscado.



Mas voltando ...



Nada de descer, nada de nada.

A essa altura do campeonato eu falei com marido o que se passava e que ainda estava aguardando, marido, prático e objetivo do jeito que é (não entendendo meu desespero pela situação que eu mesma criei) falou pra eu fazer um exame de farmácia e acabar de vez com isso, ou um beta logo duma vez.



Me neguei e me nego até hj a fazer xixi na fitinha, tenho pânico disso, em 2009 houve uma semana em que fiz sete, um a cada dia na esperança de dar positivo (logo assim que perdi o outro bebê), depois de tanto negativo me nego a isso. #traumatizada.



Sem saída e já com medo de engravidar sem mau ter tido a Yasmin, liguei pra médica, que pra ajudar não estava no consultório.

Expliquei pra secretária a situação toda, e se podia começar a tomar o anticoncepcional pq eu não me sentia grávida (se bem que eu também não me sentia grávida da Yasmin até saber).

E ela ficou de retornar.



Vencida pelo cansaço pensei em ir até a farmácia, fazer xixi na fitinha e acabar com essa agonia, mas resisti.



Resisti e fui cortar batatas, quando de repente uma cólicazinha.



Pensei “êeeeepa, isso é cólica, cólica é bom!”.



Mais tarde a cólicazinha aumentou, e eu fui aumentando meu nível de felicidade, afinal de contas, se ficasse menstruada era sinal de uma não gravidez.



Em vão, naquele dia nem uma gota de sangue,massssss...



No dia seguinte ela veio.



Juro que nunca fiquei tão feliz com a presença da Miss Red.



Comecei minha cartelinha, programei o celular pra despertar pra eu tomar as benditas bolinhas e agora é não dar bobeira.



O que achei injusto e triste é que eu me alegrei com um negativo, enquanto sei que tantas meninas querem um positivo.



E pra todas vocês que querem um positivão seja no beta ou na fitinha, eu desejo perseverança e boa sorte.



As vezes ele demora, mas ele vem, ô se vem, vem, nos dá a forma delicada de uma barriga bola recheada de amor e carinho e depois, depois tem um bebezinho cheiroso, gostoso, risonho e muito delicioso pra curtir.



Beijos e boa semana

 

.De princesa encantada a rainha do lar... 2013 Desenvolvido por Frufruzando | Todos os direitos reservados, proibida qualquer tipo de cópia!